Crise se agrava e racionamento de água na Grande Vitória pode começar no próximo mês

Geral

Crise se agrava e racionamento de água na Grande Vitória pode começar no próximo mês

Segundo diretor-presidente da Cesan, a população capixaba não economizou água nos últimos 15 dias e, nesse período, o consumo foi ainda maior

Por causa da seca no Espírito Santo, um racionamento de água pode acontecer na Grande Vitória já no próximo mês Foto: TV Vitória

A população capixaba não economizou água nos últimos 15 dias e, por isso, aumentaram as chances de haver um racionamento de água na Grande Vitória já no mês que vem. A informação é do diretor-presidente da Cesan, Pablo Andreão.

Segundo ele, o nível de consumo de água aumentou ainda mais nesse período, piorando a crise hídrica no Estado. "A gente pediu muito para a população economizar água e isso não ocorreu nesses 15 dias. Os nossos registros de consumo estão ainda maiores. A temperatura está alta e nós precisamos economizar água. Qualquer controle de consumo hoje é muito importante", destacou Andreão.

No final de agosto, o Governo do Estado renovou o alerta feito em abril, para que a população economizasse água. Na ocasião o governo alertou que, caso a vazão caísse mais 10% nos rios Jucu e Santa Maria e não houvesse economia por parte dos usuários, seria necessário racionar a distribuição de água para a população.

Crise hídrica

A avaliação do cenário aponta que a crise hídrica entrou no seu período mais agudo. Segundo o governo, os próximos meses, até o fim do ano, serão de alerta e intensificação das ações para minimizar os impactos da escassez de chuva.

Em todo o mês de agosto, os Rios Jucu e Santa Maria registraram vazões que ultrapassaram o limite considerado crítico. No dia 31, as vazões medidas foram 4.061 l/s e 2.376 l/s, respectivamente, o que representa 26% e 31% da média mensal de vazões para esse período. Antes, as médias mensais eram de 15.345 l/s no Rio Jucu e 7538 l/s no Rio Santa Maria.

Além disso, o mês de agosto foi mais quente e seco do que o normal em praticamente todo o Estado, mesmo com a passagem de três frentes frias ao longo do mês (a média de passagem do sistema em agosto no estado é de duas frentes frias). Quanto às chuvas, a quantidade registrada mal corresponde à metade do esperado.