Grande Vitória terá racionamento de água já a partir desta semana

Geral

Grande Vitória terá racionamento de água já a partir desta semana

Os bairros afetados serão divididos em sete áreas e todos os dias haverá suspensão de fornecimento de água, por 24 horas, em uma dessas regiões. Medida poderá ter início na quinta-feira

Racionamento de água na Grande Vitória deve começar já nesta quinta-feira Foto: Divulgação

A Grande Vitória poderá passar por um racionamento de água, já a partir desta semana. A informação foi divulgada pela Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan), na tarde desta segunda-feira (19). Com isso, bairros de seis municípios da região metropolitana poderão ser afetados com a falta d'água.

Os municípios atingidos serão: Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica e Viana, além da região de Praia Grande, em Fundão. O demais bairros de Fundão e todo o município de Guarapari, por ora, estão fora do sistema de racionamento.

De acordo com a Cesan, os bairros que deverão passar pelo rodízio de abastecimento serão divididos em sete áreas, cada uma contendo em média 30 bairros. Todos os dias, uma dessas áreas ficará sem abastecimento de água por 24 horas. 

"O que nós fizemos foi pegar a região da Grande Vitória, que é atendida pelas bacias do Jucu e do Santa Maria, dividimos o conjunto todo em aproximadamente 30 bairros, totalizando sete regiões, para que seja interrompido o fornecimento de água em forma de rodízio. Isso se dará do meio-dia de um dia até o meio-dia do outro", ressaltou o diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Cesan, Amadeu Wetler.

A medida ainda depende de aprovação da Agência de Regulação de Serviços Públicos do Espírito Santo (ARSP), mas pode começar já na quinta-feira (22). A expectativa é de que o parecer do órgão seja dado até esta terça-feira. A partir de então, o racionamento teria início após 48 horas da homologação da decisão.

De acordo com a Cesan, a data de início e a lista de bairros que passarão pelo racionamento será amplamente divulgada para a população com até 24 horas de antecedência. Ainda segundo a companhia, o plano poderá sofrer ajustes em função do consumo e da ocorrência de chuvas, sendo previamente comunicados.

Por causa da seca que atinge todo o Estado, a Cesan tem tido dificuldade em atender a demanda da população Foto: TV Vitória

A expectativa do Governo do Estado, com o racionamento, é conseguir uma economia de água na ordem de 15% a 20%. A medida, inicialmente, prevê a suspensão de água uma vez por semana em cada área. No entanto, segundo o governo, caso a situação não melhore, cada região poderá ficar semanalmente até três dias sem receber abastecimento de água.

"Vai depender do comportamento da vazão do rio. Quanto menos água tiver no rio, mais a gente vai precisar aumentar o tempo. Mas hoje eu diria para a sociedade como um todo que, se a gente implementar esse plano de um dia por semana, a gente vai conseguir atingir o período do final de outubro e novembro, que é quando começa a chover", destacou Wetler.

O diretor da Cesan ressaltou ainda que, caso necessário, o abastecimento de estabelecimentos como escolas e hospitais será garantido por meio de carros-pipa. "Nós temos contingência para manter o fornecimento nos hospitais. No caso das escolas, eventualmente com carro-pipa. Vai depender de como o sistema de distribuição vai estar associado àquela região", frisou.

Alta demanda

A decisão da Cesan em adotar o racionamento foi motivada pela baixa vazão dos rios Jucu e Santa Maria da Vitória, de onde é retirada a água que abastece a Grande Vitória. Segundo a companhia, a demanda na região está maior que a oferta de água disponível nos dois mananciais, onde a vazão continua caindo de forma muito rápida. Diante desse cenário, a Cesan comunicou à ARSP a necessidade de implantar racionamento no abastecimento de água por meio de rodízio isonômico de distribuição de água.

Na última quarta-feira (14), o diretor-presidente da Cesan, Pablo Andreão, declarou que as chances de haver racionamento na região metropolitana haviam aumentado consideravelmente, uma vez que, segundo ele, a população não vinha economizando água. Em todo o Estado, o racionamento já atinge 16 municípios, por causa da estiagem.