Escola Monteiro aposta no aluno como protagonista

Publieditorial
Geral

Escola Monteiro aposta no aluno como protagonista

Incentivo e valorização da escola estimulam a formação de jovens mais criativos, inovadores e preparados

Foto: Talita Vieira
Uma escola e um corpo docente atentos e receptivos contribuem no desenvolvimento de habilidades e competências. 

Durante o período de isolamento social, no ano passado, a aluna da 2ª série do ensino médio da Escola Monteiro Valentina Schuwartz transformou um hobby em arteterapia, segundo suas próprias palavras, impressionando colegas e professores nas redes sociais.

Foto: Valentina Schuwartz/Acervo pessoal
Valentina Schuwartz, aluna da 2ª série do ensino médio: “estímulo da Escola Monteiro para ir além” na escola e na vida.

Ela trabalha com automaquiagem, mas seu diferencial está em reproduzir no próprio rosto obras de arte de nomes como Salvador Dali e Monet.

No processo de elaboração de suas releituras, Valentina conta com o apoio de uma professora da Monteiro, em especial: 

“Desde que eu comecei a fazer minhas maquiagens, Lenice Coelho, professora de Artes, sempre esteve muito presente, me ajudando mesmo a distância. Tenho muito a agradecer porque ela me estimula a ir além”, afirma. 

Confira mais sobre o trabalho de Valentina em https://monteiro.g12.br/arte-e-suas-possibilidades-releituras-de-obras-famosas-com-automaquiagem/.

Já Isabela Feliciano, 10 anos, aluna do 4º ano, se encantou com a linguagem dos quadrinhos, abordada como conteúdo do trimestre nas aulas de Língua Portuguesa da Monteiro. Tanto é que resolveu criar suas próprias revistinhas.

“A ideia surgiu quando a gente estava na aula e vi que o personagem apresentado em uma questão fazia revistinhas. Eu gostei da ideia e me inspirei, achei fácil e comecei a fazer minhas próprias revistas. Eu também gosto muito da Turma da Mônica”, conta.

A aluna escreve e desenha as histórias, que são digitalizadas em casa, onde, com apoio da mãe, também imprime e faz cópias do material. Duas edições foram finalizadas e distribuídas entre colegas e colaboradores da Monteiro.

Isabela cria até anúncios fictícios, mais uma prova de sua versatilidade e criatividade. E a produção independente vem conquistando cada vez mais leitores e admiradores entre a comunidade escolar. Como incentivo, ela relata já ter ouvido a frase “te vejo na noite de autógrafos”, dita por uma professora.

Karla Muruce, que é a professora de sua turma, reforça a opinião, dizendo que Isabela já se mostra uma pequena grande escritora. “Ela tem uma sensibilidade e uma capacidade de escuta notáveis, sempre atenta aos acontecimentos, além da criatividade que lhe caracteriza”, afirma. Leia mais em https://monteiro.g12.br/criatividade-e-protagonismo-aluna-do-ensino-fundamental-cria-revistas-em-quadrinhos/.

Foto: Talita Vieira
A professora Karla Muruce e a aluna Isabela: sensibilidade e capacidade de escuta são habilidades valorizadas na Escola Monteiro.

Valentina e Isabela têm em comum o fato de estudarem em uma escola que está atenta, receptiva e disposta a estimular habilidades e competências individuais, fortalecendo valores como autonomia e criatividade, sem abrir mão de trabalhar o senso de pertencimento, de grupo e a humanização, tão importantes para a formação do cidadão e do profissional do futuro.

“Na Monteiro, o aluno tem voz. Trabalhamos a escuta ativa como um valor. Ele pode se manifestar individualmente e em grupo, por meio de assembleias em que têm a oportunidade de fazer questionamentos, sugestões, críticas ou reforçar boas práticas. Estudante e professor são protagonistas do processo de ensino-aprendizagem, que envolve ainda uma relação próxima e de parceria com a família, o que favorece os bons resultados”, afirma a diretora pedagógica da Escola Monteiro, Penha Tótola.

Ela reforça que muitos outros estudantes da Monteiro possuem seus talentos, hobbies e projetos valorizados e estimulados.

Projetos sociais

Outros bons exemplos são as alunas Marina Cunico e Laura Locatel. Aluna do ensino médio da Monteiro, Laura Locatel conta o quanto ficou impactada ao participar de uma ação social e perceber a reação de uma mulher ao receber um absorvente em meio a roupas doadas.

Nesse momento, Laura se atentou para a questão da pobreza menstrual e buscou realizar a campanha na Escola Monteiro, contando com apoio da instituição.

“A proposta de realizar a ação na escola foi acolhida e incentivada pelos coordenadores do meu segmento, Elio Serrano e Luana Pittizer, outros profissionais da escola e outras colegas que abraçaram a causa. Por conta da pandemia, restringimos a campanha ao público interno e foi interessante também promover essa reflexão, além de arrecadar absorventes, sabonetes e papel higiênico”, contou.

A campanha garantiu a arrecadação de cerca de 6,6 mil itens, que foram doados a organizações como a Casa Sociedade de Estudos Espíritas Irmão Tomé e o Serviço de Engajamento Comunitário – Secri.

“Acho que o que faz a Monteiro ser ainda mais diferenciada é que a gente tem a ideia e o apoio para colocá-la em prática. O professor de redação Lúcio Manga compartilhou a campanha em suas redes sociais dizendo ‘viva essa juventude linda’, e, se nós somos essa juventude, é porque professores como os nossos também foram”, ressalta Laura. Confira o depoimento da aluna em vídeo no link https://youtu.be/34ogte45DYY.

Já a aluna Marina Cunico, 15 anos, ativista social desde os cinco anos e aluna do ensino médio, foi a algumas salas para conversar com colegas de diferentes turmas a fim de incentivar a doação de livros. A campanha de doação de livros aconteceu de maio até meados de junho, contando com o engajamento de muitos estudantes, que se mostraram dispostos a compartilhar cultura e conhecimento por meio de uma ação solidária.

 A ideia de realizar a campanha em 2021, para ajudar instituições e comunidades sem condições econômicas para adquirir livros, surgiu da vontade da estudante de envolver toda a comunidade escolar em seus projetos e ações sociais. 

Foto: Talita Vieira
Foto 4: Marina Cunico: ação solidária de arrecadação de livros em parceria com a escola 
“Eu sou ativista social há dez anos, trabalhando em várias áreas. Eu e a bibliotecária da Monteiro, Luma Almeida, tivemos vontade de realizar essa campanha ao observar esse desejo de doação”, diz.

É que, há cinco anos, a Escola Monteiro promove a doação de livros atrelada a uma iniciativa batizada de Escambo Literário. A proposta funciona assim: a cada dois livros doados, o aluno recebe uma ficha para escolher um outro livro. Na contagem dois por um, sempre fica um livro para ser doado a uma entidade. Esse ano, por causa da pandemia, o escambo não pôde ser realizado e a campanha acabou feita por Marina, com apoio da escola.

Leia mais em https://monteiro.g12.br/ativista-social-aluna-do-ensino-medio-conduz-campanha-de-doacao-de-livros-na-monteiro/.

Conheça a Escola Monteiro:
Site: https://monteiro.g12.br/
Folder: https://monteiro.g12.br/wp-content/uploads/2021/06/MONTEIRO-FOLDER-2021.pdf