General promete 3 mil homens no Espírito Santo até o próximo sábado

Polícia

General promete 3 mil homens no Espírito Santo até o próximo sábado

A informação foi divulgada pelo Exército, na tarde desta quinta-feira. Também estão a caminho do Estado tropas especializadas, como paraquedistas e homens de montanha

Número de militares nas ruas do Estado aumentará para 3 mil até o próximo fim de semana Foto: Agência Brasil

O número de militares que fazem a segurança nas ruas dos municípios do Espírito Santo vai aumentar para cerca de 3 mil até o próximo sábado (11). A informação foi divulgada pelo Exército, na tarde desta quinta-feira (09).

Também estão a caminho do Estado tropas especializadas, como paraquedistas e homens de montanha. Além disso, mais viaturas blindadas da Marinha devem chegar até esta sexta-feira (10) para reforçar a segurança no Espírito Santo.

"Aumenta o poder de combate das tropas que estão aqui e nos auxilia nesse trabalho de restabelecimento da situação de normalidade, que é nosso maior objetivo", ressaltou o general Katibe, comandante da Operação Capixaba.

O general admitiu que, embora a força tarefa esteja na Grande Vitória desde a última segunda-feira (06), o capixaba ainda não se sente seguro. Segundo o comandante, neste momento todo efetivo está na Região Metropolitana.

Atualmente cerca de 2 mil militares fazem a segurança nas ruas do Espírito Santo. Dentre eles, há cerca de mil soldados do Exército, além de fuzileiros navais, militares da Força Aérea e homens da Força Nacional.

De acordo com o general, as tropas estão espalhadas em mais de 60 pontos da Grande Vitória e atendem a diversas ocorrências. "O decreto presidencial atribui a prioridade de emprego na área da Grande Vitória. Nós estamos avaliando as condições de segurança em outros municípios e, mediante autorização de quem nos atribuiu a missão, podemos avaliar a necessidade de distribuir efetivos em outras localidades", frisou o comandante.

O comando da Força Tarefa declarou que, com o passar dos dias, foi sendo observada a necessidade de mais homens especializados e aparato e que o prazo da operação ate o dia 16 é apenas uma estimativa.

"Nossa atuação aqui é temporária e episódica. Não há nenhuma intenção, em hipótese alguma, de substituir a Polícia Militar. Até que essa situação retorne ao normal, nós estamos aqui para garantir a segurança", frisou o general Katibe.