PM no divã: três anos após a greve do caos, 49 atendimentos psicológicos por mês

Polícia

PM no divã: três anos após a greve do caos, 49 atendimentos psicológicos por mês

Uma pesquisa realizada pela Associação de Cabos e Soldados do Espírito Santo aponta, ainda, as principais causas de licenças do efetivo: hipertensão (23%), depressão (16%), transtornos mentais (11%) e insônia (8%)

Foto: Reprodução

Três anos após a greve da Polícia Militar, maior crise na história da segurança pública do Espírito Santo, os impactos são sentidos pela corporação até hoje. De acordo com os próprios militares, os problemas de saúde mental aumentaram depois da paralisação.

Uma pesquisa realizada pela Associação de Cabos e Soldados do Espírito Santo aponta que entre 2017 e 2019, houve 49 atendimentos psicológicos por mês. Ou seja, mais de um por dia. O estudo destaca, ainda, as principais causas de licenças do efetivo: hipertensão (23%), depressão (16%), transtornos mentais (11%) e insônia (8%).

Para os especialistas no assunto, os dados relacionados a depressão chamam atenção e preocupam. "Os profissionais de segurança pública, de forma geral, têm estresses adicionais em relação à saúde mental. Por conta do próprio treinamento, da hierarquia, das condições de serviço. Há ocorrências no dia a dia que para eles são cotidianos, mas que trazem impactos no cérebro, causando muitas reações", destaca Daniela Reis, psicóloga e especialista em prevenção ao suicídio.

Foto: Reprodução TV Vitória

O psiquiatra Jairo Izirro Navaro reforça que a depressão é uma doença como qualquer outra. "Se um militar tem um câncer de pulmão, por exemplo, ele vai ficar afastado para o tratamento e depois retorna, continua a atividade normalmente. Com a depressão, é a mesma coisa". 

Os relatos das associações que representam a PM são graves, tristes e preocupantes. De 2014 a 2017, um caso de suicídio foi registrado; já entre 2017 e 2019, o número subiu para seis. Um aumento de 600%. 

"Em função da crise da segurança pública que assolou o nosso estado, é sabido que vários profissionais intensificaram sintomas que já existiam antes. Além de terem surgido novas reações, novos sintomas e um aumento da questão crítica da saúde mental. Então é fundamental que os gestores consigam entender e se sensibilizar quanto a esse problema", pontua Daniela Reis.

O cabo Sancca foi um dos diagnosticados com a depressão e tirou a própria vida no início de janeiro. "Ele teve o quadro agravado a partir da última greve da Polícia Militar. A partir daí, o Fernando mudou", disse Osmar Sancca, pai dele. "Ele passou a ter acompanhamento psicológico e apresentava quadros de oscilação".

Foto: Reprodução TV Vitória

A psicóloga define o suicídio como o desfecho mais trágico de uma junção de problemas. "infelizmente, existe um desconhecimento muito grande em relação ao que envolve o comportamento suicida. É considerado um fenômeno multifatorial em que vários elementos convergem para que ocorra um suicídio. Porque o que as pessoas dizem que é uma causa, na verdade é só um gatilho", afirma.

O secretário de Segurança Pública Estadual , Roberto Sá, reconhece o problema. "A gente tem uma preocupação muito grande com a saúde mental. No dia 30 de dezembro, publiquei uma portaria instituindo um comitê permanente de atenção à saúde dos servidores de segurança. Ele vai prestar um apoio fundamental para todos nós, trazendo diagnósticos, proposições, sugestões de como podemos melhorar o atendimento ao nosso policial". 

Em casos de depressão, a rede de apoio é essencial. "Ainda hoje, as pessoas evitam falar sobre o comportamento suicida achando que isso vai dar ideia pro outro. E na verdade, não vai. Vai possibilitar que a pessoa fale o que tá acontecendo", afirma a psicóloga. "É importante entender que, antes de colocar a farda, todos esses militares são seres humanos. E precisam ser cuidados da melhor maneira possível".

O pai do cabo Sancca faz um apelo à PM: "Esperamos que a conduta da Polícia Militar do Espírito Santo se transforme. Esperamos que haja uma mudança. Por que quantos mais irão? Quantos pais sofrerão a dor de perder seu filho?". 

Com informações da repórter Nathália Munhão, da TV Vitória/Record TV.