'Eu vi a morte de perto', relata mulher ferida com oito golpes de faca pelo companheiro

Polícia

'Eu vi a morte de perto', relata mulher ferida com oito golpes de faca pelo companheiro

O crime aconteceu na noite de quinta-feira (21) dentro da casa do casal, no bairro São Pedro V, em Vitória

Foto: Reprodução TV Vitória

Após ser atingida por oito golpes de faca, desferidos pelo próprio companheiro, uma empregada doméstica de 28 anos recebeu alta do hospital no final da manhã de sexta-feira (22) e conversou, com exclusividade, com a equipe de reportagem da TV Vitória/Record TV.

Prestes a comemorar seu aniversário neste sábado (23), a mulher conta que já recebeu seu melhor presente. "Eu não tinha programado nada ainda, não tinha nada em mente. Mas falo que eu ganhei o melhor presente, que foi uma outra vida. Eu renasci, porque levar oito facadas nas costas e sobreviver é muito difícil. Agradeço muito a Deus pela minha vida e esse eu acho que foi um dos melhores presentes. Eu renasci para uma nova vida", afirmou a vítima.

Ela disse que chegou a implorar pela própria vida. "Implorei muito, pedi muito a Deus que tivesse misericórdia da minha vida, porque eu vi a morte de perto. É uma coisa bem traumatizante. Não desejo para ninguém", completou.

O crime aconteceu na noite de quinta-feira (21) dentro da casa do casal, no bairro São Pedro V, em Vitória. O motivo da briga, segundo a mulher, foi um dispositivo de uma rede social. "O Facebook tem um dispositivo de localização e ele me ligou perguntando se eu tinha desativado isso. Eu falei que não, porque eu nem sabia mexer com isso. Ele ficava me monitorando através desse aplicativo. Onde eu estava ele olhava para saber a quantos quilômetros de casa eu estava", contou.

A vítima disse que, em determinado momento, foi para o banheiro e, quando saiu, foi surpreendida pelo companheiro. "Quando eu saí ele me encurralou em um canto. Foi o momento em que ele pegou uma faca e me ameaçou. Ele falando desse aplicativo e eu falando que eu não sabia, que eu não tinha traído ele, que eu estava tranquila, era do serviço para casa e de casa para o serviço e que ele não tinha motivos para desconfiar de mim, porque ele tinha a senha do meu celular".

Socorro
A vítima disse ainda que, enquanto era ameaçada, a sogra dela chegou no portão e chamou pelo filho. Ela aproveitou a oportunidade para pedir socorro, mas, nesse momento, o agressor teria começado a esfaqueá-la. "Ele mordeu meu braço e foi quando ele começou a desferir os golpes, porque eu pedi socorro para a mãe dele. Nessa hora ele começou a gritar do portão, me desferiu as oito facadas e me soltou. Nisso que ele me soltou eu fui em direção à saída da casa. A minha chave estava em cima da mesa. Peguei a chave, joguei para a mãe dele e pedi para ela abrir o portão para mim. Só que acabou que quem abriu o portão foi ele mesmo. Ele abriu o portão e simplesmente saiu", contou.

Após receber alta do hospital, a doméstica foi para a casa de parentes, onde se recupera dos ferimentos. Já o companheiro, segundo a Polícia Civil (PC), fugiu do local e ainda não foi localizado.

A PCES informou ainda que o caso segue sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM) e que outras informações não serão passadas para não atrapalhar as investigações. Quem tiver qualquer informação sobre o suspeito deve entrar em contato com o disque-denúncia, pelo telefone 181, ou pelo site disquedenuncia181.es.gov.br. Não é preciso se identificar e o sigilo e anonimato são garantidos.