Mulher é indiciada por morte de jovem de 23 anos em Venda Nova do Imigrante

Polícia

Mulher é indiciada por morte de jovem de 23 anos em Venda Nova do Imigrante

Diego Berude Alves morreu no dia 21 de janeiro, em Venda Nova do Imigrante, após a motocicleta que ele conduzia ser atingida frontalmente pelo veículo da motorista, que invadiu a contramão

Foto: Reprodução/Facebook

A Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) concluiu nesta quarta-feira (03), o inquérito que investigava a morte de Diego Berude Alves, de 23 anos, que morreu no dia 21 de janeiro em Venda Nova do Imigrante, no sul do Espírito Santo

Ele morreu no local após a motocicleta que ele conduzia ser atingida frontalmente pelo veículo da mulher, que invadiu a contramão. A esposa dele, que não teve o nome divulgado, ficou internada aproximadamente 30 dias e segue em tratamento médico. 

Os investigadores da Delegacia Especializada em Infrações Penais Outras (Dipo) constataram que a condutora do carro, que não teve o nome divulgado, tem 45 anos, invadiu a contramão, colidiu contra a moto e que nas horas que antecederam o acidente, fez uso de bebida alcoólica em dois estabelecimentos distintos, conforme visto nas câmeras de monitoramento. A condutora do veículo foi apontada como responsável pelo acidente.

A indiciada fugiu do local do acidente e só se apresentou na Delegacia Regional de Polícia Civil quatro dias após o fato, acompanhada de um advogado. Na época, ela prestou declarações e foi liberada, visto que se tratando de crime, em tese, culposo, não há previsão de prisão cautelar na legislação. De acordo com informações passadas pela polícia, no interrogatório, ela negou ter ingerido bebida alcoólica ou drogas no dia do fato, porém, a investigação comprovou que ela mentiu.

O laudo ainda constatou a presença de um isopor porta latas e uma lata de cerveja consumida no interior do veículo. Através das imagens das câmeras, foi possível ver que o objeto encontrado no veículo tem características idênticas à uma lata de cerveja que a mulher comprou em um estabelecimento no distrito de Pedra Azul, onde esteve horas antes.

“As investigações demandaram técnica e perspicácia dos policiais civis envolvidos, visto que a indiciada não havia sido submetida ao teste do etilômetro (bafômetro) no dia e local dos fatos, o que exigiu ação rápida e direcionada no sentido de descobrirmos quais foram os passos da indiciada nas horas que antecederam o crime e, dessa forma, obtivemos a cronologia reversa dos fatos e buscamos todos os elementos probatórios de que a indiciada consumiu bebida alcoólica e conduziu veículo automotor, em seguida, ocasionando o acidente que provocou a morte da vítima e lesões corporais graves na esposa,” explicou o delegado Bruno Alves Rodrigues

O inquérito policial será enviado ao Ministério Público do Espírito Santo (MPES)  com o indiciamento por três crimes previstos no Código de Trânsito Brasileiro, ou seja, homicídio culposo qualificado, lesão corporal grave qualificada e abandono do local do acidente. As penas podem chegar a 14 anos de reclusão.