Frequência de assaltos assusta e preocupa moradores de Jardim da Penha

Polícia

Frequência de assaltos assusta e preocupa moradores de Jardim da Penha

Um porteiro já precisou lutar com três assaltantes que roubavam a bicicleta de um morador. O bairro é considerado área nobre da capital e os moradores reclamam do policiamento

O porteiro de um prédio passou a usar roupas pretas e até cassetete para inibir os bandidos Foto: TV Vitória

Com medo da violência, um porteiro que trabalha em condomínio de luxo no bairro Jardim da Penha, em Vitória, prefere não ser identificado. De acordo com ele, as câmeras de segurança do prédio já flagraram diversas ações de bandidos. Em uma delas ele precisou lutar com três assaltantes que roubavam a bicicleta de um morador.

“Durante a ação eu tive um pensamento muito rápido de tentar ver se realmente ele estava armado, pois me ameaçou. A gente trabalha tanto para chegar um vagabundo, que não te mãe nem pai, e roubar a bicicleta de um trabalhador, que usa como meio de transporte”, se indignou. 

O porteiro contou que antes usava uma roupa social para trabalhar, mas precisou adotar outra estratégia para tentar combater a ação dos bandidos. Agora ele utiliza um coturno, calça e camisa pretas, além de acessórios nada convencionais para quem trabalha na portaria de um prédio, e afirma que esse material inibe os assaltantes.

“Com certeza inibe, porque a gente com calça azul e camisa por dentro eles sabem que a gente não tem nada, e que vai conseguir entrar por uma porta e sair por outra. Preparado do jeito que estou agora, ele pode vir que com certeza eu vou enfrentar. Eu tenho minha arma de choque, algema e até meu carinhoso [o cassetete]”, afirmou.

O bairro é considerado área nobre da capital, e apesar da quantidade de pessoas que andam pelas ruas, os moradores afirmam não haver policiamento suficiente, o que facilita a ação de criminosos. “Eu não ando com celular, não tenho mais joias. Não dá para andar com isso nas ruas, pois a insegurança é muito grande”, disse a aposentada Martha Faiva Lyrio.

A Polícia Militar foi procurada para falar sobre a falta de policiamento na região, mas até o fechamento dessa matéria não deram retorno.