Após discussão por causa de copo de bebida, homem agride motorista de aplicativo na Serra

Polícia

Após discussão por causa de copo de bebida, homem agride motorista de aplicativo na Serra

Segundo o motorista, as agressões aconteceram depois que ele disse que iria encerrar a corrida. Vítima foi à delegacia registrar boletim de ocorrência

Foto: Suellen Araújo

Um motorista de aplicativo acabou sendo agredido em uma confusão ocorrida durante uma corrida no centro da Serra. Três passageiros estavam no veículo, todos com um copo de bebida na mão. A discussão começou quando o motorista pediu para que eles terminassem as bebidas antes da corrida.

De acordo com o motorista, a corrida era do centro da cidade em direção ao bairro Morada de Laranjeiras. Eram duas mulheres e um homem. Tudo aconteceu na madrugada de sexta-feira (14) e, segundo a polícia, todos os três estavam aparentemente embriagados. 

Após pequena discussão sobre os copos, o motorista perguntou aos passageiros se o dinheiro da corrida estava trocado. O homem que estava com as duas mulheres disse que havia cadastrado o cartão no aplicativo. Neste momento a discussão ficou mais intensa e o passageiro agrediu o condutor com socos no rosto.

"O rapaz disse que estava no cartão. Eu mostrei para ele que não estava, mas ele começou a ficar estressado e começou a falar alto. Depois disso eu parei o carro, porque vi que era uma corrida complicada, e disse que não poderia continuar e que iria encerrar a viagem. Ele me atingiu com três socos. Não tive reação e fiquei sem entender", relatou a vítima. 

Após a agressão, o motorista parou o carro e mandou o homem descer do veículo. Ele saiu andando pelas ruas do centro da Serra. O motorista ainda contou que as outras duas mulheres ficaram no carro e pediram desculpas pelo ocorrido. As duas acompanharam ele até a Delegacia Regional da Serra, em Laranjeiras, onde foi feito o boletim de ocorrência.

Após o susto, o motorista está com a sensação de vulnerabilidade. Agora ele tem um único desejo. "Eu tinha trabalhado mais de 10 horas no dia e acontece uma coisa dessas. Só quero justiça e nada mais", contou.

* Com informações do repórter Arleson Schneider, da TV Vitória/Record TV.