Lavrador diz que esposa matou vendedora em Divino de São Lourenço por ciúmes

Polícia

Lavrador diz que esposa matou vendedora em Divino de São Lourenço por ciúmes

Segundo Edimar Aparecido, apontado como o principal suspeito do crime, Rosângela Salino tinha ciúmes de Andriele Lemos somente porque ele olhava para a jovem

Rosângela foi presa, acusada de ter assassinado por ciúmes a vendedora Andriele Lemos Foto: Divulgação/PC

A esposa do lavrador Edimar Aparecido da Silva, de 26 anos, que era apontado pela polícia como principal suspeito de assassinar a vendedora Andriele Aparecida Ambrozini Lemos, de 18, em Divino de São Lourenço, na região do Caparaó, foi presa nesta segunda-feira (1º). O lavrador disse à polícia, em depoimento na última sexta-feira (29), que Rosângela Salino Machado da Silva, de 31 anos, foi a autora do crime.

Segundo ele, a motivação do homicídio foi ciúmes. O acusado, no entanto, confessou que a mulher lhe ofereceu dinheiro para que ele a ajudasse.

Edimar, que continua preso no Centro de Detenção Provisória de Cachoeiro de Itapemirim, afirmou que nunca teve envolvimento amoroso com Andriele. Segundo o lavrador, ele apenas a olhava quando a jovem passava em frente à sua casa, o que deixava a esposa com ciúmes. A vítima, no entanto, não lhe dava confiança.

Edimar contou que Rosângela é doméstica e saiu do serviço por volta das 13 horas. Em seguida, teria marcado com a vítima de comprar uns produtos de beleza. 

Andriele foi assassinada após sair para vender cosméticos em Divino de São Lourenço Foto: Reprodução

Andriele foi ao local e, ao entrar no quarto de Rosângela, foi atingida com um golpe na cabeça. A suspeita segurava um pedaço de madeira. Depois ela pediu a enxada para o marido, que aguardava do lado de fora, e efetuou outros golpes. 

O casal colocou o corpo em uma carroça e enterrou a vítima no alto de um cafezal. Em seguida, eles voltaram para casa e a mulher limpou o local. Por volta das 16 horas, Edimar deixou a esposa no serviço, de moto, e, em seguida, foi comprar fraldas para a filha do casal, de 7 meses. No fim do dia, os dois voltaram para casa como se nada tivesse acontecido.

Rosângela negou a autoria do crime e disse que o marido está mentindo. Ela alega que trabalhou o dia inteiro na casa da patroa e diz não saber porque Edimar teria inventado toda essa história. Mesmo assim, ela foi encaminhada ao presídio feminino de Cachoeiro de Itapemirim.

Segundo a polícia, 12 pessoas já foram ouvidas sobre o caso e outras ainda devem prestar depoimento. A polícia aguarda ainda o resultado da perícia para concluir o inquérito.

Dois primos de Andriele chegaram a atear fogo na casa de Edimar, na semana passada, por vingança. Eles responderão pelo crime em liberdade.

O corpo de Andriele foi encontrado na manhã do dia 23. Ele estava enterrado em uma cova rasa, em um cafezal desativado que fica em frente à casa onde a jovem morava com a família.