• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Cinco dicas para não ser abordado por bandidos dentro de veículos

Polícia

Cinco dicas para não ser abordado por bandidos dentro de veículos

Até a primeira quinzena do mês de maio, quase quatro mil veículos foram roubados no Espírito Santo. Gol, Corolla e Fiat Uno são os modelos preferidos dos assaltantes

Somente em abril, mais de mil veículos foram roubados ou furtados na Grande Vitória Foto: Reprodução

O número de ocorrências de roubos e furtos de veículos vem aumentando constantemente. Os registros, que antes eram realizados somente na Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), agora, para atender a demanda, podem ser feitos em qualquer delegacia.

De acordo com o Sindicatos dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol-ES), neste ano, de janeiro até a primeira quinzena de maio, 3.740 carros foram alvos de bandidos, sendo registradas 640 ocorrências de furtos e roubos em janeiro, 920 em fevereiro, 785 em março e 1.015 em abril.

Um destes casos foi registrado no final de março, quando uma administradora foi sequestrada em frente uma escola em Vila Velha. Ela aguardava a saída do filho quando foi abordada por um homem, que assumiu a direção do veículo e abandonou a vítima no bairro Civit, na Serra.

No caso da administradora, o veículo era um CrossFox, mas o Sindipol constatou que os carros com maior número de ocorrências na Grande Vitória são os de modelo Fiat Uno, Volkswagen Gol e Toyota Corolla. Já as motos mais roubadas ou furtadas na região metropolitana são as dos modelos Honda CG Titan 125 e 150.

Para evitar que ocorrências desse tipo aconteçam, é sempre bom tomar alguns cuidados. Além das regras básicas como verificar se o veículo foi trancado corretamente ou usar dispositivos de segurança, o Guarda Municipal e Especialista em trânsito e segurança, Patrick Oliveira lista cinco medidas para você adotar e não ser abordado por bandidos dentro de veículos. Confira:

Veja a entrevista com o especialista em trânsito e segurança Patrick de Oliveira: