Família acredita que corpo em carro incendiado na Serra é de mulher que desapareceu

Polícia

Família acredita que corpo em carro incendiado na Serra é de mulher que desapareceu

Priscila Gonoring, de 30 anos, e o companheiro, estão desaparecidos desde o dia 19; familiares reconheceram o veículo

Foto: Acervo Familiar

A família de Priscila Gonoring Rodrigues, de 30 anos, acredita que ela seja uma das vítimas encontrada carbonizada dentro do carro incendiado na Serra, no dia 20 de junho. 

Ela morava em Santa Leopoldina e o último contato que teve com os parentes foi no dia 19 de junho. 

Leia mais: Polícia encontra corpos carbonizados dentro de carro na Serra

Priscila é mãe de três filhos e, segundo a família, passava a maior parte do tempo fazendo salgados para vender.

"Ela desapareceu na noite do dia 19, e o último contato com ela foi às 22h30, por telefone. Pouco antes ela teve contato presencial com a família também", lembrou um familiar que não quis se identificar. 

Eles disseram que Priscila vivia um relacionamento com outro homem, que também desapareceu. Após assistirem a reportagem do Balanço Geral, da TV Vitória / Record TV, sobre o carro carbonizado na Serra, os parentes descobriram que veículo era o mesmo do casal. 

Foto: Reprodução TV Vitória

Os corpos foram encontrados queimados e a polícia não conseguiu identificar quais eram os sexos das vítimas. Apesar disso, a placa do carro não foi destruída.

"A gente puxou pela reportagem mesmo. Vimos a placa do carro e por meio de consulta com a polícia, vimos que era o carro que ele possuía", explicou. 

Corpos aguardam identificação

Os corpos foram encaminhados para o Departamento Médico Legal de Vitória (DML) para serem identificados. A família de Priscila e também do companheiro forneceram o material genético para comprovar ou não a identificação das vítimas. O resultado deve sair em até 60 dias.

"Na cidade todo mundo conhecia os dois. E gostavam muito dela, principalmente pelo trabalho que ela tinha. Atendia muito bem a população e fazia a melhor torta da cidade, muita gente fala isso", destacou. 

De acordo com a família, os filhos de Priscila têm 13, 9 e 6 anos, e tem sido difícil lidar com toda a situação. "Infelizmente falamos que a mãe foi morar com papai do céu, um discurso padrão de conforto para eles e para nós mesmos", lamentou.

A família diz que não sabe o que pode ter motivado um crime brutal.  "Não caiu a ficha, não é algo comum. A gente está passando por dificuldade muito grande de confirmação. Vamos aguardar para fazer alguma coisa por ela, enterro algo nesse sentido", completou.  

A Polícia Civil informou que até o momento nenhum suspeito de cometer o crime foi detido. O caso foi encaminhado para a delegacia de Polícia de Santa Leopoldina, que está responsável pela investigação. 

Assista ao vídeo:

*Com informações da repórter Jéssica Cardoso da TV Vitória / Record TV