Família de jovem morta há 20 dias sofre com a perda e com a falta de respostas da polícia

Polícia

Família de jovem morta há 20 dias sofre com a perda e com a falta de respostas da polícia

A jovem Kamila Rodrigues Pião, de 18 anos, foi morta com um tiro na cabeça quando estava em um bar em Alecrim, Vila Velha

Foto: TV Vitória

A tristeza da perda se soma à falta de respostas para os familiares da jovem Kamila Rodrigues Pião, de 18 anos. Ela foi morta com um tiro na cabeça quando estava em um bar no bairro Alecrim, em Vila Velha. Segundo testemunhas, o autor dos disparos seria o namorado da vítima.

Seguir em frente não tem sido fácil. O pai da jovem tem sofrido bastante desde a morte brutal da filha. "Eu não consigo nem dormir e nem comer. Não consigo fazer nada, está bem difícil. Eu só tinha ela, e tudo o que eu vou fazer eu lembro dela", contou.

Namorado é o suspeito

A primeira suspeita do caso era que a jovem teria sido morta por uma bala perdida, mas depois, testemunhas contaram para a polícia que o autor dos disparos seria o namorado de Kamila.

Segundo o pai da jovem, o companheiro de Kamila também estava no bar. O casal vivia junto há pelo menos três anos, mas eles teriam brigado. O suspeito e namorado da vítima, de acordo com o pai, teria sacado a arma e atirado nela.

Após os disparos ela foi socorrida, mas depois de dar entrada no hospital ela não resistiu e morreu.

"Indo para lá, me falaram que ela teria tomado só um tiro. Cheguei o hospital, levaram ela para a cirurgia, em cerca de 20 minutos me passaram a informação de que ela havia falecido", disse o pai.

O velório de Kamila reuniu familiares e amigos na frente de uma casa no bairro Primeiro de Maio, em Vila Velha.

Constantes ameaças do namorado

Foto: Reprodução / TV Vitória

Na época do ocorrido, uma testemunha chegou a conversar com a equipe de jornalismo da TV Vitória e também confirmou a versão de que o atirador era o namorado da jovem.

Foto: Reprodução / TV Vitória

O namorado de Kamila é um rapaz de 27 anos. Em mensagens enviadas por ele, é possível ver o teor das constantes ameaças. Em um dos textos ele fala "se vc sair, vou colar seis na testa".

O pai da vítima espera por uma resposta da polícia a respeito das investigações.

"Preciso ter uma resposta. Ele tem que pagar. Isso precisa ter uma solução, estou sofrendo muito", afirmou o pai de Kamila.

A Polícia Civil informou que o caso segue sob investigação na Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher. Até o momento, nenhum suspeito do crime foi detido.

* Com informações do repórter Douglas Camargo, da TV Vitória/Record TV.