Homem agride companheira grávida, vizinhos flagram e ele acaba preso

Polícia

Homem agride companheira grávida, vizinhos flagram e ele acaba preso

Imagens registradas pelos vizinhos mostram o momento em que a mulher tenta pular da janela para fugir das agressões, mas é impedida pelo companheiro

Uma mulher, de 35 anos, grávida de três meses, foi mais uma vítima de agressão doméstica, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Vizinhos flagraram o momento em que ela era agredida pelo companheiro. Após as imagens circularem na internet, a Polícia Civil conseguiu localizar e prender Vitor Batista, de 32 anos.

A vítima contou que a violência era recorrente. Nas imagens é possível ver que ela tenta pular da janela para escapar das agressões. Pouco depois, Vitor Batista surge segurando a vítima de forma bruta. Ele ainda fecha a janela para que os vizinhos não vissem a covardia. 

Foto: Reprodução TV Vitória

"Ele sempre me bateu, me proibia de sair de casa. Já são dois anos de relacionamento e sofrimento. Eu já cheguei a pular da janela em maio, porque não aguentava mais. Tudo começou porque eu joguei um papel pela janela na segunda pedindo por socorro", explicou ela. 

A vítima, que não foi identificada, contou que o agressor sempre foi ciumento. "Eu acreditava que ele pudesse mudar, por isso não tinha coragem de denunciar, me sentia muito mal", disse a vítima. 

Os vizinhos conseguiram socorrer a vítima. Para a Polícia Civil, as imagens registradas foram essenciais para encontrar o agressor. A polícia reforçou que em casos de agressão contra mulheres, as testemunhas devem denunciar, ligando para 190. 

Parceiros são os principais agressores em casos de violência doméstica

Em grande parte dos casos de violência contra a mulher, os parceiros ou ex-companheiros das vítimas são os principais agressores. A Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

As denúncias podem ser feitas pelo número 180 - Central de Atendimento à Mulher - e do Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Há ainda o aplicativo Direitos Humanos Brasil e através da página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). Vítimas de violência doméstica podem fazer a denúncia em até seis meses.

*Com informações do portal R7