Ex-namorado é condenado a 23 anos de prisão pelo assassinato de Gabriela Chermont

Polícia

Ex-namorado é condenado a 23 anos de prisão pelo assassinato de Gabriela Chermont

A sentença foi proferida na noite desta quinta-feira, após três dias do júri popular sobre o caso. Julgamento aconteceu 24 anos depois da morte da jovem

Foto: Reprodução

O empresário Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg foi condenado a 23 anos e 3 meses de prisão pela morte da estudante Gabriela Regattieri Chermont. Ela morreu aos 19 anos ao cair do 12º andar de um apart hotel, na avenida Dante Michelini, na orla de Camburi, em Vitória. O caso aconteceu em setembro de 1996. Na época, Luiz Cláudio era namorado da vítima.

A sentença foi proferida pelo juiz André Guasti Motta, na noite desta quinta-feira (12) após três dias do júri popular sobre o caso, que teve início na última terça-feira (10) e foi realizado pela 1ª Vara Criminal de Vitória. A conclusão do caso se deu mais de 24 anos após a morte da jovem e depois de o julgamento ter sido adiado por nove vezes ao longo desses anos. O último adiamento aconteceu em abril deste ano, devido à pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o assistente de acusação do caso, Cristiano Medina da Rocha, o juiz entendeu que Luiz Cláudio assassinou Gabriela. "Graças a Deus, conseguimos a condenação. Todas as qualificadoras foram reconhecidas pelo juiz. O réu agrediu a vítima e depois a jogou pela janela", afirmou. 

Ao dosar a pena, o juiz considerou, entre outros fatores, que: “a vítima teve sua vida encerrada prematuramente quando tinha apenas 19 anos de idade, tendo o acusado interrompido uma vida repleta de possibilidades e perspectivas. Além disso, deve-se considerar que este crime resultou em consequências drásticas para os familiares da vítima, os quais sofreram e continuarão a sofrer por um crime que subverte a ordem natural da vida, circunstância que merece maior reprovação, a justificar a análise negativa dessa circunstância”, destacou.

Na sentença, o magistrado determinou, ainda, a imediata execução da pena, ou seja, o início imediato do cumprimento da mesma, e expediu mandado de prisão em desfavor do réu. Ele deixou o Fórum Criminal de Vitória, na Cidade Alta, e foi direto para o presídio. De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Luiz Cláudio está no Centro de Triagem de Viana.

Ao longo deste terceiro dia de julgamento, além do depoimento do réu, foram feitas as alegações finais dos advogados de defesa e de acusação, além do Ministério Público. Todas as testemunhas de acusação e de defesa foram ouvidas nos dois primeiros dias.

Por meio de nota, o advogado de defesa do acusado, Raphael Câmara, informou que respeita a decisão do conselho de sentença e reconhece a grande repercussão dos fatos. No entanto, reitera que Luiz Cláudio é inocente, conforme afirmaram os peritos da Polícia Civil ao longo de duas décadas e em vários laudos científicos. O advogado já apresentou recurso de apelação.

Relembre o caso

Gabriela Chermont morreu no dia 21 de setembro de 1996, após cair de um prédio na orla de Camburi, em Vitória. A hipótese de suicídio foi descartada logo no início das investigações e Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg passou a ser o principal suspeito pelo crime.

Para os promotores do Ministério Público à época, ele teria empurrado e jovem da sacada do apartamento. No entanto, a defesa do empresário alega que Gabriela cometeu suicídio.

O caso aconteceu em um flat da família do empresário. Segundo familiares de Gabriela, os dois haviam rompido o namoro e Luiz Cláudio não aceitava o fim do relacionamento.

>> Glória Perez critica demora da Justiça ao julgar acusado de matar estudante capixaba

>> Caso Gabriela Chermont: "Tem mais tempo de julgamento do que ela teve de vida”, desabafa primo

O acusado chegou a ter a prisão decretada e ficou nove meses foragido, em 1997. No entanto, a prisão foi revogada pela Justiça.