Jovem de 18 anos é encontrado morto a tiros e com as mãos amarradas na Serra

Polícia

Jovem de 18 anos é encontrado morto a tiros e com as mãos amarradas na Serra

De acordo com testemunhas, foram os moradores do bairro que alertara uma equipe de patrulhamento da polícia sobre o crime

Foto: Reprodução

Vitor Santos Reis tinha apenas 18 anos. Ele foi assassinado a tiros debaixo de um viaduto em Jardim Carapina, na Serra, a tiros na noite de quarta-feira (18). O local é acesso para a rodovia do contorno.

O local do crime é deserto e com pouca iluminação, e possivelmente por isso a vítima foi levada pra lá, com as mãos amarradas, para que os criminosos atirassem na cabeça do jovem.

De acordo com testemunhas, foram os moradores do bairro que alertara uma equipe de patrulhamento da polícia sobre o crime. Os militares acionaram a perícia da Polícia Civil que foi até o local. De acordo com os peritos, o rapaz foi atingido com pelo menos cinco tiros na cabeça.

Inconformados com o crime, familiares relataram que Vitor Reis trabalhava como chapeiro em uma lanchonete do bairro e que naquele dia havia saído de casa por volta das 17 horas para trabalhar.

De acordo com familiares, como o jovem se atrasou para chegar ao trabalho o patrão passou a ligar para os amigos e parentes. Só por volta das 11 horas da noite que foram informado do crime. A mãe de Vitor Reis foi a primeira a saber. Ela recebeu fotos do filho morto em um grupo de Whatsapp.

De acordo com a família, a vítima teve envolvimento com drogas ainda quando não tinha maioridade, mas que por algum tempo ele havia se afastado das drogas e estava focado em trabalhar e passar mais tempo com a mãe, tanto que ele se mudou de Cariacica para a Serra apenas para ficar com ela.

Segundo a Polícia Civil, o caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Serra. Até o momento nenhum suspeito foi detido e outras informações não serão repassadas para que a apuração dos fatos seja preservada.

O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser liberado pelos familiares e para ser feito o exame cadavérico, que apontará a causa da morte.


*com informações da repórter Rafaela Freitas, da TV Vitória / Record TV