Homem acusado de cometer homicídio quando estava dentro de presídio de Viana

Polícia

Homem acusado de cometer homicídio quando estava dentro de presídio de Viana

Há duas semanas, Ronaldy Rodrigues Rocha recebeu uma intimação relacionada a um novo homicídio que ocorreu quando o jovem cumpria pena pelo primeiro crime.

O rapaz foi acusado de homicídio no período que já estava preso Foto: TV Vitória

Após passar dois anos preso por um homicídio que garante não ter cometido e do qual foi absolvido pela Justiça, o jovem Ronaldy Rodrigues Rocha saiu do Centro de Detenção Provisória, em Viana, disposto a recomeçar: pagar as dívidas da família com advogados e retomar a vida de onde parou, em dezembro de 2011.

“Até hoje temos dívidas de empréstimos feitos para pagar os advogados para tirarmos Ronaldy da prisão”, conta Valdicéia Rodrigues Rocha, que é mãe do jovem. Segundo ela, foram gastos mais de R$ 20 mil.

Mas o que o rapaz de 24 anos não contava era que há duas semanas, um ano após a sua liberdade, receberia em casa uma nova visita de um oficial de Justiça, com uma intimação relacionada a um novo homicídio. O mais chocante é que, quando o assassinato ocorreu, em junho de 2012, Ronaldy estava preso, cumprindo pena pelo primeiro crime.

“Quando a intimação chegou, pensei que a Justiça tivesse recorrido do primeiro caso; no momento em que o oficial disse a data do crime fiquei perplexo: no dia do crime eu estava preso há seis meses”, enfatiza o rapaz. 

O homicídio do qual Ronaldy teria participado quando preso foi a execução de Leonardo Carlot do Nascimento, morto com dez tiros na Pedra do Urubu, em Cariacica.

O processo é de responsabilidade da Divisão de Homicídios da Polícia Civil e possui centenas de páginas sem que o nome do rapaz seja citado. Mesmo assim, no relatório final, o delegado responsável pelo caso indiciou o rapaz.

Em nota, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo informou que revogou o mandado de prisão de Ronaldy pelo segundo homicídio e que não comentará a decisão da juíza responsável pelo caso.

Já a Polícia Civil disse o nome de Ronaldy Rodrigues Rocha não está como indiciado nesse inquérito.