Lanchonete é assaltada três vezes e comerciantes reclamam de roubos na Glória

Polícia

Lanchonete é assaltada três vezes e comerciantes reclamam de roubos na Glória

Por causa da frequência dos crimes na região, uma farmácia passou a trabalhar com a porta fechada. O cliente só entra depois que for identificado

Um dos assaltos aconteceu no ponto de ônibus em frente a lanchonete Foto: TV Vitória

Na época das festas de fim de ano o comércio fica mais movimentado, mas os comerciantes do Pólo de Confecções da Glória não estão muito satisfeitos com isso. O motivo, segundo eles, é a falta de segurança. Eles afirmam que vários assaltos estão sendo registrados na região e eles temem prejuízos. 

Segundo o funcionário de uma lanchonete, o estabelecimento foi alvo de assalto três vezes, apenas esse ano. O último roubo aconteceu na semana passada. “O meliante chegou, eu estava com duas clientes. Ele pediu um cigarro e, quando virei para atendê-lo, ele já estava com uma pistola na mão. Ele levou meu celular, dinheiro e rendeu as duas clientes”, contou.

No dia seguinte ao assalto a lanchonete, as vítimas foram as pessoas que aguardavam pelo ônibus em um ponto que fica em frente ao estabelecimento. O crime ocorreu por volta das 13 horas. Uma loja de produtos de limpeza também foi alvo. No local, o assaltante se passou por cliente.

“O rapaz entrou, pediu o preço de uma  vassoura, rendeu uma moça e, em seguida me rendeu. Ele pediu dinheiro e, quando eu fui pegar, a arma disparou e quase acertou a moça que estava comigo”, contou uma mulher.

Um comerciante, que trabalha na Glória há 25 anos, se recorda da última vez que foi rendido por criminosos. “Eles chegaram em dois na loja e anunciaram o assalto. Depois mostraram a arma. Chegaram mais clientes que também foram assaltados. Eles nos colocaram no banheiro e depois foram embora”, disse. 

Por causa da frequência dos assaltos, uma farmácia passou a trabalhar com a porta fechada. O cliente só entra depois que for identificado. Segundo as vítimas dos crimes, o policiamento na região não é eficiente.

A Polícia Militar, em nota, ressaltou que mantém diálogo constante com a população e afirmou que o patrulhamento é feito seguindo o mapa do crime, por meio dos registros de ocorrência. Reforçou ainda a importância dos moradores e comerciantes da região participarem de reuniões sobre a insegurança que acontecem na 1ª Companhia do 4º Batalhão.