Iriri registra carnaval sem violência e vira modelo para o Estado

Polícia

Iriri registra carnaval sem violência e vira modelo para o Estado

Diferente do carnaval de 2014, quando três pessoas foram assassinadas, em 2015 o município não registrou graves ocorrências. A estratégia adotada em Iriri virou referência para o Estado

Em Iriri, o clima de tranquilidade marcou os dias de folia Foto: Divulgação

Um carnaval sem violência. Além da tradicional alegria, o folião que aproveitou a festa de Momo em Iriri, Sul do Estado, desfrutou do carnaval com tranquilidade. Diferente da festa de 2014, quando três pessoas foram assassinadas, em 2015 o município não registrou graves ocorrências. Para especialistas, a estratégia adotada em Iriri virou referência para o Estado e um exemplo a ser seguido. 

De acordo com o major da Polícia Militar Emerson Caus, o sucesso do evento é fruto da integração entre polícia, sociedade e prefeitura. “O carnaval violento de 2014 nos deixou bastante preocupados. Ao longo do ano, pensamos em medidas para combater à violência. Ouvimos a comunidade e fizemos uma parceria. Fizemos a proposta de fechar parte da orla do balneário durante a folia e a comunidade aprovou”, afirmou.

Em 2013, uma lei municipal proibiu o uso de som automotivo. Segundo o major, neste ano, a fiscalização foi rigorosa e apreendeu três aparelhos de som. A multa para quem infringir a lei é de R$ 127,69. 

Com grande efetivo - 180 PMs atuaram durante os dias de folia - o policiamento abordou carros suspeitos e realizou patrulhamento a pé pela orla. Cerca de 30 policiais militares trabalharam diariamente. 

Partilhando do sucesso da operação, Caus afirmou que a participação dos moradores foi fundamental. “Fizemos um trabalho de conscientização e os moradores que alugaram suas residências fizeram exigências de segurança. Antigamente, as casas eram alugadas sem contratos. Depois que conversamos com a população, os proprietários começaram a pedir dados dos inquilinos e exigir contratos. A própria população orientou os turistas”, disse. 

Além da PM, a Guarda Municipal atuou no combate ao crime. Câmeras extras de videomonitoramento foram instaladas na orla e as imagens compartilhadas com os militares. A operação de segurança começou na sexta-feira (13) de carnaval e durou até a quarta-feira (18) de cinzas .