• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Tem "gato" na academia. Empresária é autuada por furto de energia elétrica na Serra

Polícia

Tem "gato" na academia. Empresária é autuada por furto de energia elétrica na Serra

A EDP Escelsa confirmou o furto de energia, através de uma denuncia recebida no começo da semana, nesta sexta-feira (04), junto com a Polícia Civil o flagrante foi confirmado

Mulher foi levada para a delegacia Patrimonial  Foto: Divulgação/PC

A dona de uma academia foi detida, nesta sexta-feira (04), após acusação de furto de energia elétrica. O estabelecimento fica no bairro Colina de Laranjeiras, na Serra e os técnicos da EDP Escelsa constataram uma adulteração que fazia com que o relógio registrasse um consumo menor do que o real. 

A prática conhecida popularmente como ‘gato’, é ilegal e considerada crime. A mulher prestou depoimento para o delegado da Patrimonial, Jordano Gasperazzo, mas negou. A EDP Escelsa chegou até o local através de uma denuncia anônima, de que um homem estaria mexendo no relógio de luz da academia.

A empresária foi indiciada por furto de energia e foi liberada após pagar fiança de R$ 1,5 mil.

Este é o terceiro caso de furto de energia elétrica nas últimas semanas. No último dia (21) uma boate foi flagrada duas vezes furtando energia, em Vila Velha. Segundo informações da polícia, o dono da boate contratou um eletricista para puxar a energia diretamente do poste para o estabelecimento, sem passar pelo dispositivo que faz a contagem do consumo. O local tinha uma dívida de cerca de R$1.000 com a concessionária, devido uma fatura não paga, e três dias depois do primeiro flagrante foi novamente autuada.

Um parque de diversões, localizado na Enseada do Suá, em Vitória também foi autuado pelo mesmo problema. No último dia 28, foi constatada uma ligação irregular. De acordo com a polícia, o estabelecimento utilizava a energia de um poste da região, por meio de uma ligação clandestina à rede elétrica. Os responsáveis pelo parque foram levados para a Delegacia Patrimonial, para prestar esclarecimentos, pagaram fiança de R$1.500 e foram liberados.