Suspeito confessa envolvimento na morte de estudante de Guarapari em arrastão no Rio

Polícia

Suspeito confessa envolvimento na morte de estudante de Guarapari em arrastão no Rio

Os dois menores, que também foram presos por conta do crime, teriam colocado a culpa dos disparos em Douglas, apontado como uma pessoa fria

O delegado disse que foi decretada a prisão do acusado Foto: TV Vitória

Após a morte da estudante Ana Beatriz Frade, de 17 anos, um dos suspeitos assumiu a autoria do crime. Douglas Paiva Santos Ventura da Silva, de 18 anos, foi apontado como o suspeito que teria atirado na adolescente. 

De acordo com o delegado Fábio Salvadoretti, responsável pelas investigações, os dois menores, que também foram presos por conta do crime, teriam colocado a culpa dos disparos em Douglas. “Um dos menores confessou a participação e imputou autoria dos disparos ao maior, o Douglas. Conversando com ele depois, o Douglas confessou que atirou na menina, pois o carro não quis parar”, informou. 

O delegado disse ainda que os menores acusaram Douglas de ser uma pessoa fria. “O menor disse ainda que Douglas é uma pessoa fria e calculista e não tem pena de ninguém. O carro se evadiu e não oferecia nenhum risco a ele, mas ele resolveu dar um disparo e acertou a cabeça da jovem”, destacou.

Ainda segundo Salvadoretti, foi decretada pelo judiciário a prisão temporária de Douglas, e ele vai permanecer preso pelo crime de latrocínio.

A jovem não resistiu aos ferimentos Foto: Reprodução Facebook

O caso

Segundo amigos da família, a adolescente morava no Espírito Santo com avós. Ela havia viajado para o Rio de Janeiro para fazer uma surpresa. Ana Beatriz buscaria a mãe no aeroporto para que elas passassem juntas o Dia das Mães.

De acordo com testemunhas, oito criminosos participaram do arrastão no viaduto de Del Castilho, no acesso 4 da linha Amarela, no sábado (7). Os suspeitos atiraram depois que o padrasto de Ana Beatriz tentou fugir do assalto. A jovem, que estava no banco do carona, foi atingida na cabeça. 

O padrasto da menina ainda dirigiu por mais 500 metros para tentar buscar ajuda, mas a vítima não resistiu aos ferimentos.

A família seguia em direção ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, onde a jovem buscaria a mãe. Um bebê de dois anos, irmão da menina, também estava no veículo.

No arrastão, o veículo de uma policial militar foi roubado. Ela abandonou o carro, a arma e farda antes dos ladrões chegarem.