Por que Pazolini quer ser prefeito de Vitória 

 O delegado Lorenzo Pazolini lança, neste sábado, a pré-candidatura à prefeitura de Vitória. E por que trocar anos dedicados à segurança pública para entrar para a política? “O que me moveu foi o desejo de ajudar e transformar a vida das pessoas. Hoje atuamos para o fato negativo não acontecer, para o luto não se instaurar. Como delegado, atuava após o crime”.  

Republicanos  

O delegado foi eleito pelo PRP. Depois que o partido foi extinto, ele ficou longos meses sem legenda –  não por falta de convitesEm abril deste ano, a escolha foi pelo Republicanos de Erick Musso e Amaro Neto. Sou um parlamentar independente. Em todas as conversas com o partido deixei claro que não alteraria minha forma de atuação. Sempre com transparência e razoabilidade, mas sendo incisivo nos momentos necessários”.  

Prefeitura de Vitória  

Pazolini vai enfrentar nas urnas Fabrício Gandini (Cidadania), candidato do prefeito Luciano Rezende. Sem surpresas, é crítico à gestão atual. “A cidade não quer mais a manutenção desse sistema. A gestão atual fechou a cidade para o debate. Vitória perdeu seu protagonismo econômico, social e na área da educaçãoA sensação de insegurança é elevada”.  

Segurança  

Delegado licenciado, Pazolini sabe que será cobrado por soluções efetivas na área da segurança pública“O eixo da segurança não é só polícia e guarda municipal. É investimento social, oportunidade e qualificação. É preciso que a guarda esteja preparada e equipada para agir e resolver as questões da cidade, o que hoje não acontece. O gabinete do prefeito vai comandar o plano municipal de segurança. Vamos coordenador as ações sociais, da guarda e das polícias em um ambiente de decisões coletivas. Porque conhecemos, sabemos como fazer”.  

Diálogo  

Nem a favor, nem contra, e sim independente. É assim que Pazolini define seu posicionamento na Assembleia Legislativa em relação ao governo estadual. Ainda assim, pelos discursos e votações na Ales, o deputado faz parte de um grupo de parlamentares que assume a linha oposição. Ele garante que, caso eleito, não terá dificuldades em dialogar com o Casagrande. “O diálogo é fundamental. É papel do governante dialogar com a União e com o Estado. Faremos isso. A responsabilidade é com a vida das pessoas”.  

Negociações  

Pazolini garantiu que conta com o apoio de vários partidos. Quais são? “Por questões estratégicas, até o prazo da convenção não vamos fazer esse tipo de fala e manifestação”.  

Lançamento 

O lançamento da pré-candidatura será em formato drive-thru, na Praia do Canto, durante a manhã deste sábado. Para ouvir sugestões de moradores para a capital, o deputado lançou, em julho, o movimento “Uma ideia pra Vitória”. Por meio do site “umaideiapravitoria.com.br” moradores podem apontar melhorias para a cidade. “O objetivo é reunir o maior número possível de ideias criativas, inovadoras e de alto impacto econômico e social”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *