Emissão de passaportes na Ales, Soraya no PTB e bate-boca sobre Carnaval

Assembleia quer emitir passaportes

Se depender do presidente da Assembleia, deputado Erick Musso, a sede do Legislativo poderá ser mais um ponto no Estado na emissão de passaportes. Segundo ele, já está sendo concluída uma proposta de convênio, com a Polícia Federal, para que a Casa ceda espaço para um posto de emissão do documento.

Erick Musso disse à coluna De Olho no Poder que o espaço no Legislativo já está preparado. “Estou acabando de formatar uma proposta que é colocar a Assembleia para emitir passaportes, colocar mais um serviço para a população. Já temos um espaço preparado para isso. Vou colocar a Assembleia à disposição, temos uma localização muito forte, na frente do Shopping Vitória, transita muita gente, tem fácil acesso. Queremos ceder à Polícia Federal”, disse o presidente.

Erick disse que ainda levará a proposta para o superintendente da PF, delegado Eugênio Ricas, que, se aceitar a parceria, é quem irá definir sobre o atendimento e quantos passaportes serão emitidos por mês. “Minha parte é a de ceder o espaço, a infraestrutura, a localização. Essa parte do atendimento é com a PF, porque depende do número de servidores que eles têm. Estamos elaborando o convênio, a parte jurídica, para isso. Nossa Procuradoria já deu sinal verde”, disse Erick.

Se vingar, a emissão de passaportes vai se somar a outros serviços já prestados pela Ales, como a emissão de carteiras de identidade, a Delegacia do Consumidor, o Procon e a Procuradoria da Mulher. Hoje, a Polícia Federal, com sede em São Torquato, tem um posto de atendimento para emissão de passaportes dentro de um shopping na Praia da Costa, em Vila Velha.

A parceria, entre a Assembleia e a Polícia Federal, porém, pode ir além do serviço prestado à população. Já há algum tempo que Erick acena para Eugênio Ricas. Recentemente, defendeu a força-tarefa, envolvendo a PF e a Guarda da Prefeitura de Vitória na segurança pública, e também saiu em defesa da Polícia Federal após o governador ter dito que é preciso ter cuidado com o uso da instituição (Polícia Federal) para fins eleitoreiros – no contexto da operação policial que teve como alvo os irmãos Cid e Ciro Gomes, no Ceará. Num discurso do ano passado, sem citar nomes, Erick disse que repudiava a fala de quem ataca as instituições e que se solidarizava com a Polícia Federal.

Ricas foi secretário de Transparência na gestão passada, do ex-governador Paulo Hartung, de quem Erick sempre foi aliado. Ricas, embora negue, é cotado para a disputa eleitoral de outubro.

***

Hoje tem!

O presidente da Assembleia, Erick Musso, é o entrevistado desta quinta-feira (13) do programa “De Olho no Poder com Fabi Tostes”, na rádio Jovem Pan News Vitória (90.5 MHz).

Erick fala sobre novos projetos da Ales, a possibilidade de concurso e reajuste aos servidores, sobre sua pré-candidatura ao governo e a relação com o governador Renato Casagrande. O programa vai ao ar às 16 horas e pode ser acompanhado pela internet.

***

Reforço no combate à criminalidade

A Prefeitura da Serra assina nesta quinta-feira (13) um convênio com a Polícia Federal para entrar na força-tarefa de Segurança Pública no Espírito Santo. A assinatura será na sede da PF, em São Torquato, após reunião entre o prefeito da Serra, Sergio Vidigal, e o superintendente da Federal no Estado, Eugênio Ricas.

O convênio é para uma parceria entre a Guarda Municipal da Serra e a Polícia Federal para atuar, principalmente, no combate às facções criminosas, ao tráfico de drogas e armas, aos delitos e furtos, roubo e recepção de cargas e valores, à lavagem e ocultação de bens, entre outros. Esse mesmo convênio já foi assinado com as prefeituras de Vitória e Vila Velha.

***

Soraya Manato bate o martelo e vai para o PTB

A deputada federal Soraya Manato, hoje no PSL, bateu o martelo e vai para o PTB assim que a janela partidária (também conhecida como janela da infidelidade) abrir (março). Soraya é pré-candidata à reeleição e estava encontrando dificuldades para conseguir um partido, já que o PSL, que no Estado é aliado do governador Renato Casagrande, não é mais uma opção.

“É com muita alegria que informo a todos que aceitei o convite do PTB para integrar o partido. A partir de março firmarei oficialmente esse compromisso. Uma sigla de direita, conservadora e que apoia o nosso presidente Jair Bolsonaro”, disse Soraya em suas redes sociais.

A filiação da deputada foi acertada, por meio de uma reunião virtual, com a presidente nacional do PTB, Graciela Nienov, nesta quarta-feira (12). “A deputada Soraya Manato foi convidada pelo Tenente Assis e hoje estamos autorizados a oficializar que o convite foi aceito com o objetivo de formar uma chapa forte e expressiva no Espírito Santo”, disse Graciela. Tenente Assis também deve disputar uma vaga no Congresso, como pré-candidato à Câmara ou ao Senado.

Soraya e o marido, Carlos Manato, tinham compartilhado o desejo de fazer parte do mesmo partido que o presidente Bolsonaro, no caso, o PL. Porém, eles não teriam encontrado a porta aberta na legenda comandada pelo ex-senador Magno Malta.

Nos bastidores, a entrada de Soraya atrapalharia a chapa federal que já vem sendo montada pelo partido. É comum dirigentes partidários acordarem antecipadamente entre os pré-candidatos a entrada ou não de políticos com mandato na chapa. Em alguns casos, os nomes que disputarão não aceitam a entrada de um concorrente com mandato, pois alegam que a disputa fica desproporcional.

Já no caso do ex-deputado Manato, a dificuldade é o PL bancar duas candidaturas majoritárias, uma vez que Magno Malta é pré-candidato ao Senado e, Manato, pré-candidato ao governo. Manato, porém, ainda não desistiu do PL e as conversas continuam. Ele também tem convite aberto do PTB para disputar o Palácio Anchieta.

***

Ação contra Carlos Von é arquivada

O juiz eleitoral Edmilson Souza Santos julgou improcedente a ação proposta pela ex-candidata à Prefeitura de Guarapari Fernanda Mazzelli contra o deputado Carlos Von – que também disputou o posto de prefeito – por suposto abuso de poder econômico na eleição de 2020. O caso foi arquivado.

Fernanda entrou com a ação em outubro de 2020 (a eleição foi em novembro) acusando Von, que disputou pelo Avante, de supostamente “comprar” apoio político de candidatos a vereador do Republicanos – partido pelo qual Fernanda disputou a prefeitura. Ela pediu a inelegibilidade do deputado.

Como prova, Fernanda apresentou áudios da gravação de uma reunião que teria ocorrido no comitê de Von com os candidatos do Republicanos. Segundo a ação, o “acordo” entre Von e os candidatos da coligação de Fernanda consistia no apoio em troca de recursos do Fundo Eleitoral, uma pessoa para trabalhar na campanha e cargo na prefeitura, caso Von fosse eleito.

Na sentença, porém, o juiz descartou a gravação, considerada prova ilícita. “Uma vez que segundo entendimento jurisdicional a ilicitude de gravação ambiental clandestina decorre da violação à privacidade e intimidade alheias, ainda que o autor da captação seja um dos interlocutores dos diálogos”.

Um depoimento também foi descartado. “Uma vez que (o depoente) não foi ouvido em juízo, sob o crivo do contraditório e ampla defesa”. O magistrado também disse que não verificou abuso de poder “relevante” que pudesse comprometer as eleições.

“Em suma, nulos os áudios juntados com a petição inicial e ilícita a produção da prova oral pela oitiva das testemunhas que eventualmente participaram das conversas gravadas. Mister consignar, que ainda que se considerasse lícita as provas, seria caso de, no mérito, julgar improcedente a Ação Judicial de Investigação Eleitoral, uma vez que não verifiquei nos autos abuso de poder relevante que ostentasse aptidão para comprometer a lisura, normalidade e legitimidade das eleições 2020”.

Carlos Von terminou o pleito em segundo lugar, com 32,6% dos votos, perdendo para o prefeito Edson Magalhães, com 36,76% dos votos válidos. Fernanda ficou em 5º lugar, com 3,57% da votação.

***

Bate-boca na internet por causa do Carnaval

 

O presidente da Câmara de Vitória, Davi Esmael, passou parte da noite desta quarta-feira (12) batendo boca no Instagram com internautas após postar: “Secretário Nésio, vamos cancelar o Carnaval no Sambão?”. Davi disse que cobrava coerência do secretário estadual da Saúde, mas internautas questionaram se ele já tinha cobrado o prefeito de Vitória e seu aliado, Lorenzo Pazolini.

No último dia 6, o prefeito convocou a imprensa para informar que os desfiles das escolas de samba estavam mantidos no Sambão do Povo, mas com controle sanitário. “Vitória hoje é uma referência nacional em vacinação contra o coronavírus. Graças a um trabalho assertivo da Saúde e a grande adesão da população atingimos níveis altíssimos de imunização. Hoje completamos 13 dias sem nenhum óbito por Covid no município. Diante desse quadro pudemos dar um passo adiante e confirmar com segurança esse evento”, afirmou Pazolini, na ocasião.

Os desfiles, que serão de 17 a 19 de fevereiro, terão de seguir protocolos sanitários, com os participantes apresentando comprovante de imunização e apresentando teste PCR negativo. Já o Carnaval de rua, com desfile de blocos, foi suspenso.

Nos comentários da postagem, internautas lembraram Davi da decisão do prefeito, que rebateu citando o governo do Estado. Davi é evangélico, de corrente conservadora, e a posição contrária ao Carnaval, independente da pandemia, é uma das principais bandeiras do seu mandato como vereador. Sua postura diante desse tema é tão famosa que já virou até alvo de brincadeiras dos colegas do parlamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *