Lava jato desembarca de novo na Suíça

Política

Lava jato desembarca de novo na Suíça

Fontes confirmam que os investigadores brasileiros da Operação Lava Jato poderão dar um passo "fundamental" a fim de traçar a forma pela qual teria ocorrido a participação da Odebrecht

Redação Folha Vitória
O Ministério Público da Suíça deve apresentar às autoridades brasileiras documentos e extratos Foto: Divulgação/PF

Genebra - Uma delegação brasileira composta por procuradores desembarca amanhã na Suíça para buscar novos documentos relacionados ao escândalo de corrupção da Petrobras.

Fontes ligadas ao processo que corre no país europeu confirmam que os investigadores brasileiros da Operação Lava Jato poderão dar um passo "fundamental" a fim de traçar a forma pela qual teria ocorrido a participação da Odebrecht, maior empreiteira do País, no esquema.

O Ministério Público da Suíça deve apresentar às autoridades brasileiras novos documentos e extratos bancários que poderão revelar o caminho do dinheiro que circulou em uma série de contas suspeitas. Investigadores brasileiros já estiveram na Suíça atrás de provas. A primeira viagem, em novembro de 2014, teve como foco movimentações financeiras envolvendo o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Caminho

A suspeita é de que Costa tenha recebido suborno da Odebrecht no valor de US$ 23 milhões em contas na Suíça. A investigação aponta vários intermediários nessas operações financeiras. Por isso, o principal objetivo da força-tarefa brasileira é rastrear o caminho percorrido pela verba até as contas do ex-diretor.

No início de 2014, os suíços iniciaram sua própria investigação e identificaram como as contas encontradas tinham relação direta com obras de refinarias da Petrobras. Cinco contas em nome de Costa foram encontradas.

Os recursos, bloqueados, voltarão ao Brasil para uma conta que será administrada de forma conjunta pelo Ministério Público e pelo Supremo Tribunal Federal.

Costa fechou acordo de delação premiada e está em prisão domiciliar no Rio. Além de apontar contratos superfaturados, ele já citou dezenas de políticos como beneficiários do esquema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.