TC-ES aprova sem ressalvas contas do prefeito Luciano Rezende

Política

TC-ES aprova sem ressalvas contas do prefeito Luciano Rezende

O processo, que trata da prestação de contas anual do exercício 2013, foi relatado pelo conselheiro-corregedor, Rodrigo Chamoun, que acompanhou o entendimento dos técnicos

Luciano em atividade com a equipe de Governo Foto: Divulgação/Prefeitura

O Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCES) aprovou sem ressalvas as contas do prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), relativas ao exercício de 2013, ou seja, o período de seu primeiro ano de mandato à frente do Poder Executivo da Capital.

A Corte julgou as contas do prefeito durante a primeira Sessão Ordinária de 2016. A sessão foi conduzida pelo conselheiro-presidente do Tribunal, Sérgio Aboudib, que estreou à frente do órgão, para o qual foi eleito por unanimidade para comandar durante o próximo biênio 2016/2017.

O processo, que trata da prestação de contas anual do exercício 2013, foi relatado pelo conselheiro-corregedor, Rodrigo Chamoun, que acompanhou o entendimento dos técnicos.

“Estou acompanhando o entendimento técnico ministerial e voto para que sejam julgadas regulares as contas da Prefeitura sob responsabilidade do senhor Luciano Santos Rezende, no exercício de suas funções administrativas, relativas ao exercício de 2013, dando plena quitação ao responsável. 

Para o prefeito Luciano Rezende, a aprovação é o resultado de uma gestão transparente, ética e eficiente mesmo num cenário de perda de receita sem precedentes.

“É uma notícia muito positiva porque o cuidado com a legalidade e com os aspectos formais é muito intenso na nossa gestão. E eu quero agradecer aos servidores e aos técnicos, que lidam com a formalidade na Prefeitura, porque, ter as contas aprovadas sem ressalvas é uma obra muito importante de uma gestão transparente, ética e eficiente num momento em que a Prefeitura está sendo governada com muito menos recursos após o fim do Fundap”, disse o prefeito.

Segundo Luciano, a receita anual da cidade está com 30% a menos do que o orçamento anterior devido ao fim do Fundap. “E mesmo nesse ambiente, nós estamos cuidando da formalidade, da legalidade e fazendo muito mais com menos, prestando serviços cada vez melhores para a população e de forma transparente, segura, legal e ética”, pontuou ele.