Novo líder do PT acredita que Bolsonaro não terá fôlego para 2º turno

Política

Novo líder do PT acredita que Bolsonaro não terá fôlego para 2º turno

Redação Folha Vitória

Brasília - Novo líder da bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS) avalia que o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) não terá fôlego eleitoral para chegar ao segundo turno da eleição presidencial e disse que o principal adversário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não surgiu.

Em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Pimenta afirmou que Bolsonaro não é eleitoralmente "auto suficiente". "Ele tende a desidratar à medida em que ele seja chamado a falar", concluiu o petista. Para o deputado gaúcho, quanto mais Bolsonaro for instado a opinar na campanha eleitoral sobre os temas que vieram ao debate, "mais vai se complicar".

De malas prontas para o PSL, Bolsonaro terá poucos recursos do partido para investir em sua campanha eleitoral. Os petistas contam com a falta de estrutura partidária, a baixa capilaridade de Bolsonaro junto aos movimentos sociais e acreditam que a suposta "falta de conteúdo" do deputado fluminense falarão mais alto ao eleitorado.

Na avaliação de Pimenta, o candidato capaz de se contrapor a Lula ainda não se consolidou e os partidos que fazem oposição ao PT ainda "testam" seus nomes. O novo líder do PT na Câmara lembra que inicialmente o candidato mais forte era o tucano Aécio Neves (MG), mas após virar foco da Operação Lava Jato abriu espaço para nomes como o prefeito de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), cuja pré-candidatura não decolou, e agora o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Como os tucanos não têm empolgado os partidos de centro, outros possíveis presidenciáveis estão sendo apresentados ao eleitorado, como o apresentador Luciano Huck (sem partido), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e mais recentemente o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). "O adversário de Lula ainda não está definido", comentou o petista.

Otimismo

O PT avalia que o nome de Lula estará na urna eletrônica mesmo se sua candidatura ao Planalto for impugnada. A estratégia consiste em levar a campanha do ex-presidente até o último recurso judicial, se necessário no Supremo Tribunal Federal (STF).

Mesmo se o registro da candidatura for indeferido, Lula recorrerá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, por fim, ao Supremo. Advogados constitucionalistas e especialistas em Direito Eleitoral consultados pela cúpula do PT asseguraram que, com essa tática, até a eleição de outubro ainda não haverá decisão final da Justiça sobre a possibilidade de o ex-presidente concorrer.

"Impugnado ou não, Lula estará na urna", disse o líder do PT na Câmara. O comando petista recebeu informações de que, na disputa de 2016, 145 candidatos foram eleitos prefeitos, mesmo sob impugnação. "Com ele eleito, ninguém vai lhe tirar o cargo. A pressão internacional será fortíssima."