Lei impede reajuste no salário de servidores do Estado

Política

Lei impede reajuste no salário de servidores do Estado

Inconformados com a remuneração, servidores estaduais fizeram diversas manifestações durante o ano. A principal reivindicação das categorias era o aumento salarial. Mas de acordo com a lei 9504/97, que estabelece normas para as eleições, já não é possível realizar nenhum reajuste no salário dos servidores.

Segundo a lei, estão vedadas as concessões de reajustes ou revisões de tabelas remuneratórias dos servidores públicos estaduais, em conformidade com a legislação eleitoral, nos 180 dias que antecedem as eleições, e a Lei de Responsabilidade Fiscal, nos 180 dias que antecedem o final do mandato. Foi o que informou a Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos (Seger).

O protesto mais recente, que aconteceu nesta quinta-feira (24), foi o dos policiais civis. A manifestação teve início por volta das 12h30, na Avenida Vitória, e o grupo chegou a ocupar três faixas da avenida. Com um trio elétrico, os agentes falavam sobre as reivindicações da categoria. De acordo com a Central de Videomonitoramento da Capital, cerca de 50 pessoas participaram do protesto.

Na manhã desta quinta-feira (24), os agentes se reuniram em assembleia, e decidiram ingressar com uma ação judicial na qual solicitam que o salário da categoria seja equiparado ao salário dos investigadores da Polícia Civil.

Servidores da saúde do Estado recuam sobre greve

Os trabalhadores da Saúde do Espírito Santo se reuniram, na última terça-feira (22), para uma assembleia geral em frente à Secretaria Estadual de Gestão e Recursos Humanos (Seger), em Vitória. A categoria discutiu sobre a progressão na carreira, insalubridade, tíquete-alimentação, imposto sindical, pendências do subsídio e indicativo de greve.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Federais Estaduais e Municipais da Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social no Espírito Santo (Sindsaudeprev), eles conversaram com um representante da Seger. Segundo eles, o governo não abre negociação com a categoria para tratar de questões como o subsídio salarial, insalubridade e outros direitos dos trabalhadores da Saúde.

Professores em greve

Professores saíram em passeata do ginásio Álvares Cabral para o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) em manifestação contra a liminar da Justiça que decretou a greve da categoria ilegal. A manifestação terminou por volta das 14 horas e reuniu cerca de mil pessoas na Enseada do Suá, em Vitória, no início da tarde da última quarta-feira (23).

Servidores estaduais cruzam os braços

Após a paralisação do dia 19 de março, quando aproximadamente 22 mil servidores públicos cruzaram os braços, setores foram paralisados na manhã do último dia 31 de março. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos), a greve seria por tempo indeterminado.