Genro cria frente de esquerda contra domínio do PMDB no Rio

Política

Genro cria frente de esquerda contra domínio do PMDB no Rio

Redação Folha Vitória

Rio - Derrotado na disputa pela reeleição em 2014, Tarso Genro, ex-governador do Rio Grande do Sul, escolheu o Rio como base para uma frente de esquerda em oposição ao domínio do PMDB no Estado e em defesa de futuras candidaturas próprias do PT. A movimentação dele, ministro da Educação e da Justiça no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, incomoda petistas fluminenses.

"É muito bom que Tarso defenda a essência de uma frente de esquerda para o Brasil, que também defendemos. Mas não pode vir aqui fazer discussão eleitoral. Então vamos reconstruir o PT do Rio Grande do Sul. O PT lá é muito sectário, nunca reelegeu ninguém", disse o presidente do PT-RJ, Washington Quaquá, prefeito de Maricá (região metropolitana)e integrante da corrente majoritária petista, Construindo um Novo Brasil (CNB).

Genro, da tendência Mensagem ao Partido, tem dito que o Rio será decisivo para o futuro da política nacional a partir de 2016. Aos petistas, assegurou não querer mudar a posição dos favoráveis à aliança com o PMDB. "Seria muita ousadia da minha parte, nem tenho essa pretensão. Mas isso não me impede de ouvir companheiros e dar a minha opinião", disse a correligionários. O petista gaúcho fala no plano "familiar" de montar uma segunda residência no Rio, onde pretende passar temporadas.

Para Genro, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, uma das principais lideranças do PMDB, tornou-se uma "trava" ao governo pelas derrotas impostas à presidente Dilma Rousseff. Esse tipo de aliança, diz ele, deve ser evitada.

Quaquá insiste que o PT "não tem nome" para disputar a sucessão do prefeito peemedebista Eduardo Paes e defende a manutenção da aliança com o PMDB. O vice-prefeito é o petista Adilson Pires. Na eleição de 2014, o presidente do PT-RJ liderou o rompimento com o PMDB no Estado e o lançamento do senador Lindbergh Farias (PT) ao governo, que ficou em quarto lugar. "Nossa grande liderança, Lindbergh, sofreu derrota brutal. Não temos candidato à prefeitura. Ou o Tarso está pensando em se candidatar?", ironizou Quaquá.

No fim de semana, Genro desmentiu em redes sociais que sairá do PT. Disse não ser "candidato a nada em lugar nenhum". "No Rio,(...) defendo candidatura própria. Defendo que o PT se renove e saia da aliança com o PMDB. Temos que ter atitudes fortes para sair da crise. Entendo que aquilo que ocorrer no Rio vai influenciar a política nacional na próxima década. Daí meu interesse em colaborar no debate."

Mesmo entre petistas pró-frente de esquerda em oposição a Paes há dúvidas sobre as intenções de Genro no Rio. Mas consideram positiva a defesa de nova política de alianças. Em 2014, o PMDB-RJ abriu dissidência em apoio ao tucano Aécio Neves à Presidência, mas Paes e o governador Luiz Fernando Pezão, ambos do PMDB, defenderam a reeleição de Dilma.

No passado, Genro estimulou a aliança PT-PMDB no Rio. No segundo turno de 2008, com o deputado petista Alessandro Molon fora da disputa pela prefeitura, o então ministro da Justiça apoiou Paes. Em 2012, apoiou a reeleição do prefeito peemedebista, aliado ao PT desde o primeiro turno. O ex-governador diz não se arrepender de ter estimulado a aliança com o PMDB, que ajudou a "dar governabilidade aos governos do presidente Lula".

Na próxima sexta-feira, o ato público "A saída é pela esquerda" reforçará a formação de frente suprapartidária de esquerda no Rio. "Permaneço na mesma linha de que é preciso apresentar alternativa à sociedade do Rio de Janeiro, defendo uma frente de esquerda que tenha um candidato que seja do PT ou não, isso dependerá da construção política", disse Molon.