Líder do PR diz que parte da base ameaça "dar troco" em votação de MPs

Política

Líder do PR diz que parte da base ameaça "dar troco" em votação de MPs

Redação Folha Vitória

Brasília - Uma das preocupações manifestadas pelos líderes da base aliada na reunião da tarde desta segunda-feira, 4, com o vice-presidente Michel Temer em relação às consequências da votação do projeto que regulamenta a terceirização foi sobre a discussão das medidas do ajuste fiscal na Câmara. Deputados ressentidos com a campanha feita contra quem votou a favor da terceirização ameaçam "dar o troco" no PT e não aprovar as Medidas Provisórias (MPs) 664 e 665.

Durante o encontro desta tarde, os parlamentares reclamaram da propaganda negativa liderada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pelo PT. Em algumas cidades, outdoors foram espalhados com fotos dos deputados que ajudaram a aprovar o projeto da terceirização. Eles se disseram "constrangidos" perante o eleitorado. "Os deputados sentiram a pancada de estar em outdoors. Isso pode pesar amanhã", avaliou o líder do PR, Maurício Quintella Lessa (AL).

Apesar da insatisfação, o líder do PR disse que havia um clima de colaboração por parte dos partidos da base governista. Segundo ele, foi enfatizado que o pacote do ajuste fiscal é "uma necessidade real do País" e que sua rejeição pelo Congresso implicaria em consequências graves para a economia, como o rebaixamento da classificação de risco do País, o agravamento da crise financeira interna, a fuga de investidores e o aumento do contingenciamento.

Quintella negou que, ao mencionar contingenciamento nos ministérios, o governo tenha tentado pressioná-los a aprovar as MPs do jeito que elas estão. "Não vou nem levar esse assunto para a bancada", afirmou.

Ainda de acordo com o líder, os ministros Carlos Gabas (Previdência) e Nelson Barbosa (Planejamento) se colocaram à disposição das bancadas para fazer um "plantão" para tirar dúvidas dos deputados. Gabas se comprometeu a se reunir com a bancada do PR.