Líder do PT diz que governo 'já foi até onde podia' para conseguir aprovar MP 665

Política

Líder do PT diz que governo 'já foi até onde podia' para conseguir aprovar MP 665

Redação Folha Vitória

Brasília - O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), negou nesta terça-feira, 26, que o Palácio do Planalto pretenda fazer novas concessões para aprovar a Medida Provisória 665, que endurece o acesso a benefícios trabalhistas, e disse que o governo "já foi até onde podia".

Nesta terça, Costa e o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), anunciaram que a presidente Dilma Rousseff havia aceitado vetar parcialmente uma das modificações nas regras do pagamento do abono salarial que constam na MP. Pelo acordo costurado com a base para tentar viabilizar a aprovação da MP, o Executivo desiste de aumentar a carência exigida atualmente para o pagamento do benefício de um para três meses. No entanto, o governo mantém-se inflexível na defesa de que o repasse deve ser proporcional ao tempo trabalhado, outra alteração que consta no texto da proposta. "Manter (a regra) como é hoje (sem a proporcionalidade, com o pagamento integral independente do tempo trabalhado) desfalca significativamente a medida provisória", justificou Costa.

Mais cedo, o governo conseguiu aprovar a constitucionalidade da matéria por uma margem apertada, de apenas cinco votos de vantagem. O líder do PT disse que o resultado mostra que os aliados do Planalto "têm maioria", mas reconheceu que o momento é "de dificuldade" e que o "quadro ainda é instável".