Líder do DEM diz que manterá representação contra Maranhão caso ele não renuncie

Política

Líder do DEM diz que manterá representação contra Maranhão caso ele não renuncie

Redação Folha Vitória

Brasília - O líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), declarou nesta quarta-feira, 11, que manterá a representação por quebra de decoro parlamentar contra o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-AM), "de um jeito ou de outro". O documento, protocolado na última segunda, 9, é de autoria do DEM e do PSD. Caso Maranhão não renuncie ao cargo até amanhã ao meio dia, Pauderney disse que irá ao Conselho de Ética com um funcionário apresentar a documentação, que está em tramitação na Mesa Diretora.

Mesmo com a sinalização de que os membros da Mesa e aliados do vice-presidente Michel Temer estariam reconsiderando a permanência de Maranhão no cargo, por avaliarem que uma "saída forçada será difícil", Pauderney considera que ele "não possui condições" de permanecer na presidência interina da Câmara e que a sua decisão de anular o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi "inaceitável". Caso houvesse um acordo entre os partidos e Maranhão, eles teriam até as 19 horas desta quinta, 12, para desistir da ação.

Mais cedo, Maranhão disse ao primeiro-secretário da Casa, Beto Mansur (PRB-SP), não estar preocupado com um processo no Conselho, que considera "uma besteira". Ele está desde cedo no gabinete da presidência assinando documentos e recebendo líderes partidários para articular a sua permanência no cargo. Entre as visitas, já passaram por lá os líderes do PMDB, Leonardo Picciani (RJ) e do PP, Aguinaldo Ribeiro (PB). Apesar de considerarem que ele não possui apoio do plenário, o discurso é de que a renúncia é uma "decisão pessoal".