• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Tabata Amaral: 'Se tem uma coisa que une a população é a luta pela educação'

Política

Tabata Amaral: 'Se tem uma coisa que une a população é a luta pela educação'

A deputada contestou dados apresentados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante sessão no plenário da Câmara

Estadão Conteúdo

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) contestou dados apresentados pelo atual ministro da Educação Abraham Weintraub. "São tantos absurdos, tantas arbitrariedades, a primeira delas é dizer que há uma concentração nas humanas. Não é verdade, ministro, apenas 1,4% da verba do CNPQ vai pra ciências sociais, apenas 23,7% das bolsas da Capes vão para humanas", disse Amaral no plenário.

Leia também:

>> Weintraub usa Power Point e cita 'ondas de fracasso' no fundamental e médio

>> Weintraub se exalta ao ser questionado sobre suposta declaração contra comunistas

>> Weintraub quer salário para aluno que seguir carreira docente e for bem no Enem

>> Weintraub diz não considerar algumas pesquisas como científicas

>> Weintraub confirma ligação de Bolsonaro, mas diz que conversa foi 'mal entendida'

A deputada viralizou ao questionar o ex-ministro da pasta Ricardo Vélez em sua participação na Comissão de Educação da Câmara no mês passado. Desta vez, a fala da deputada foi mais curta. Ela teve apenas três minutos para questionar o atual gestor. "Depois de mais uma manipulação em que o governo anuncia que vai recuar nos cortes da Educação e logo recua novamente numa tentativa de desmobilizar, a população a gente viu que não deu certo, A Câmara está aqui, as pessoas estão nas ruas. Não porque somos idiotas úteis, mas se tem uma coisa que une a população desse País é a luta pela educação", disse a deputada.

"O senhor é um ministro de estado não pode vir aqui sem nenhum critério técnico, baseado em ideologia", afirmou. "Ministro o senhor tem de falar de Enem. Sair dessa guerra ideológica", afirmou.