Presidente da UGT diz que centrais 'não abrem mão do 85/95'

Política

Presidente da UGT diz que centrais 'não abrem mão do 85/95'

Redação Folha Vitória

São Paulo - O presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, disse nesta terça-feira, 17, que as centrais não vão ceder na negociação do fim do fator previdenciário. "Não vamos abrir mão, em hipótese alguma, do 85/95. Toda e qualquer alternativa é um fator sobre o fator", disse ele a jornalistas durante o congresso da UGT, na capital paulista.

Patah reforçou a argumentação das centrais de que o fator - criado em 1999 para coibir aposentadorias precoces - é inconstitucional e que o País ainda tem trabalhadores que começaram a trabalhar na adolescência e que não podem continuar sendo penalizados.

"Não tem lógica, é inconstitucional e achamos que é até um crime impedir que trabalhadores e trabalhadoras tenham acesso a aquilo que lhes é de direito", afirmou.

O dirigente sindical apelou inclusive ao "coração" da presidente Dilma Rousseff, que tem até amanhã para sancionar a fórmula 85/95 em substituição ao fator. "Se a presidenta ouvir o seu coração, ter essa percepção que tem e não ouvir sua equipe econômica, que com certeza vai sugerir o veto, tenho esperança que ela, de forma sensível, sancione a lei."

Patah criticou a fala do ministro da Previdência, Carlos Gabas, ontem, sinalizando o veto e disse não compreender a sua mensagem. "O próprio Gabas no começo do ano lançou o 85/95, então é incompreensível."

Pressão

Patah deu um recado ao governo de que agora seria o momento de recuperar o apoio da classe trabalhadora, após medidas do ajuste fiscal que restringiram o acesso a benefícios trabalhistas e previdenciários. "A presidenta iniciou o ano já tirando direitos dos trabalhadores. É o momento de readquirir a confiança dos trabalhadores do Brasil."

Ele reafirmou que se for vetada a fórmula 85/95, as centrais trabalharão para derrubar o veto. "Não há diálogo com o governo se for vetado o 85/95. Nós vamos buscar todo tipo de pressão política, militância na rua, o possível para que tenhamos o 85/95 sancionado."

Prefeitura 2016

Patah reafirmou a possibilidade de ser candidato à Prefeitura de São Paulo no ano que vem, pelo PSD, partido a que se filiou recentemente. "Existe sim uma possibilidade de ser pré-candidato, mas a minha atividade neste momento é exclusivamente no movimento sindical", disse Patah.

O ministro das Cidades e presidente licenciado do PSD, Gilberto Kassab, também presente ao evento da UGT, reiterou o convite a Patah e disse a jornalistas que ficaria muito feliz de tê-lo candidato na capital paulista. "Tenho certeza que ele é um candidato com dimensão grande, com bastante conhecimento da cidade e com grandes chances de ganhar a eleição", afirmou Kassab.