Geddel é transferido da PF para penitenciária da Papuda em Brasília

Política

Geddel é transferido da PF para penitenciária da Papuda em Brasília

Geddel foi preso preventivamente no âmbito da Operação Cui Bono, que investiga práticas criminosas na liberação de créditos e investimentos por parte de vice-presidências da Caixa

Redação Folha Vitória
Geddel Vieira Lima  Foto: Agência Brasil

Brasília - O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima foi transferido, por volta das 14h desta terça-feira, 4, para a Penitenciária da Papuda, em Brasília. Geddel foi preso ontem pela Polícia Federal em Salvador e chegou à Superintendência da PF em Brasília na madrugada de hoje. Agora, foi transferido para a Papuda, presídio no qual está preso também o doleiro Lúcio Funaro.

Geddel foi preso preventivamente no âmbito da Operação Cui Bono, que investiga supostas práticas criminosas na liberação de créditos e investimentos por parte de duas vice-presidências da Caixa. Ele também é acusado de tentar impedir que o doleiro Lúcio Funaro e o ex-deputado Eduardo Cunha façam delação premiada.

Histórico de denúncias

Denúncias de irregularidades rondam a vida pública do ex-ministro Geddel Vieira Lima desde seu primeiro emprego, aos 25 anos, quando foi acusado de desviar milhões do Baneb (Banco do Estado da Bahia) e beneficiar sua família.

Dez anos depois, em 1994, já deputado federal, foi implicado no escândalo dos "anões do Orçamento" depois de seu nome aparecer em um papel encontrado na casa de um diretor da Odebrecht ao lado da mensagem "4%". Foi inocentado.

O ex-ministro também já foi associado a acusações de enriquecimento ilícito e de direcionamento para aliados de verbas do Ministério da Integração Nacional, mas foi a citação a seu nome na operação Cui Bono?, da Polícia Federal, que resultou na primeira consequência jurídica prática.

Geddel, que sempre negou todas as acusações, se entrincheirou em seu apartamento em Salvador desde novembro passado, quando entregou a carta de demissão ao presidente Michel Temer após ser acusado de tráfico de influência para aprovar a construção irregular de um edifício na capital baiana. A interlocutores, dizia que estava "refazendo a vida".

Só reapareceu em Brasília em março, quando boatos davam conta de que ele poderia fazer delação premiada. Na ocasião, jantou com Temer no Palácio do Jaburu. Sempre que era questionado sobre essa hipótese, reagia com palavrões. E sobre a possibilidade de ser preso, algo que já se falava há duas semanas, dizia estar "tranquilo". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.