• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Sem Hartung na disputa, PSDB, PDT e DEM se aproximam de Casagrande

Eleições 2018

Política

Sem Hartung na disputa, PSDB, PDT e DEM se aproximam de Casagrande

As três siglas estariam costurando adesão à candidatura do PSB ao Governo do Estado. PSDB, no entanto, diz que busca viabilizar candidatura de Colnago pelo bloco governista

Alex Pandini

Redação Folha Vitória

Depois da nova configuração eleitoral surgida a partir da desistência do governador Paulo Hartung (MDB) de disputar a reeleição, o blocão formado por dez partidos da base aliada rachou em definitivo esta semana. Melhor para o ex-governador e pré-candidato do PSB ao governo, Renato Casagrande, que se tornou favorito nas pesquisas e atraiu o interesse de muitos "órfãos" de Hartung.

Enquanto o PSD de Neucimar Fraga, um dos mais fiéis aliados hartunguistas, anunciou independência para buscar uma solução que atenda aos interesses do partido, o PRB de Amaro Neto (pré-candidato ao Senado) flerta com a pré-candidatura de Rose de Freitas (Podemos). 

PSDB, PDT e DEM com Casagrande

Outro partido chave da antiga base de Hartung é o PSDB, que, de acordo com uma fonte do Folha Vitória, está prestes a fechar com Renato Casagrande. E mais: numa coligação para federal com o PDT e DEM. Nesse arranjo, trabalhariam em conjunto as candidaturas de Ricardo Ferraço ao Senado, César Colnago, Sérgio Vidigal e Norma Ayub à Câmara dos Deputados. Não há conversas sobre uma possível "perna" para a Assembleia Legislativa. O convite a Ricardo Ferraço foi feito no último sábado (14), por intermédio de um aliado do PSB, o deputado federal Marcus Vicente (PP). Indagado, Vicente confirmou ter feito a ponte, mas disse que ainda não obteve uma resposta.

O PSDB, no entanto, não confirma as tratativas, e segue as articulações visando viabilizar o nome do vice-governador, César Colnago, como candidato ao cargo de governador do estado pelos partidos que formam a base hartunguista. "Estamos bastante adiantados nesse desenho", disse um dos integrantes do diretório estadual tucano.

Renato Casagrande não confirma nenhuma conversa "institucional" com o PSDB, garante que vai preservar a relação com os aliados de primeira hora (PPS, PHS, PTdoB, PV), mas diz haver no PSB capacidade de diálogo com todos. "É importante preservar os partidos que estão conosco desde o início, e vamos evoluindo as conversas buscando soluções para ampliar alianças, sempre estivemos abertos ao diálogo". 

Sobre a possível ida de Ferraço para o grupo, o que congestionaria o número de candidaturas ao Senado, Casagrande diz não querer "antecipar o problema, nem sabemos se irá acontecer, mas, se acontecer, será um problema bom para resolver".

Palanque para Alckmin

O presidente do PSB estadual, Luiz Carlos Ciciliotti, também diz que não há nenhuma definição de Ricardo Ferraço sobre essa possibilidade. Mas acredita que, caso realmente ocorra, a costura será uma forma do PSDB garantir, na campanha de Ricardo Ferraço ao Senado, um palanque no estado para o candidato tucano à presidência, Geraldo Alckmim. 

Em nível nacional, o PSB e o PDT de Ciro Gomes costuram uma aliança, mas o apoio do PSB ainda não está definido. Há, inclusive, uma corrente defendendo a neutralidade no processo. 

Bom para (quase) todos

Se acontecer mesmo essa costura de bastidores, não só o PSDB e o PDT estarão contemplados. O presidente estadual do PPS, sigla que também caminha com Alckmin no plano nacional, Fabrício Gandini, vê o movimento com bons olhos. "Acho que trazer o Ricardo Ferraço para a coligação será interessante para o PPS, pois temos indicativo de apoio a Alckmin". 

Bom também para o DEM, devido à relação de Ricardo com o pai, o deputado estadual Theodorico Ferraço, e pelo fato de que a união dá uma "vitaminada" na campanha à reeleição da presidente do DEM no ES, Norma Ayub (esposa de Ferração), à deputada federal.

A costura PSDB/PDT/DEM só não é boa para o PT, pois tem como componente a ruptura do PDT com os petistas. Cada vez mais isolado nas proporcionais, o PT cogita apoiar Casagrande independente de ter ao lado o arquirrival histórico PSDB.

Mais emoção vai surgir nos próximos dias, ou, nas próximas horas.