• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Nomeação de Bernardo para Itaipu é suspensa

Política

Nomeação de Bernardo para Itaipu é suspensa

A escolha de Bernardo para o cargo, cuja remuneração supera os R$ 30 mil, era dada como certa por auxiliares palacianos semanas atrás, mas Dilma decidiu suspender a nomeação do ex-ministro

A nomeação era era dada como certa por auxiliares palacianos semanas atrás Foto: ​Agência Brasil

Brasília - Em meio aos desdobramentos da Operação Lava Jato, a presidente Dilma Rousseff decidiu suspender a nomeação do ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo para a direção-geral brasileira de Itaipu Binacional, usina hidrelétrica mantida com o Paraguai. A escolha de Bernardo para o cargo, cuja remuneração supera os R$ 30 mil, era dada como certa por auxiliares palacianos semanas atrás.

Nesta semana, o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato na primeira instância, enviou ao Supremo Tribunal Federal documentos com indícios de repasses ilícitos de um escritório de advocacia para a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil no primeiro mandato da presidente. Gleisi e Paulo Bernardo são casados.

A senadora é alvo de investigação da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República porque, segundo delatores, teria recebido R$ 1 milhão para a campanha ao Senado de 2010. A investigação cita também o marido de Gleisi como beneficiário de valores sob suspeita de serem oriundos do esquema de corrupção na Petrobrás.

O casal nega irregularidades nas contas da campanha de Gleisi ao Senado, em 2010, assim como o recebimento de dinheiro vindo do esquema de Youssef. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.