Líder do PMDB no Senado censura Dilma por ela não ter feito autocrítica

Política

Líder do PMDB no Senado censura Dilma por ela não ter feito autocrítica

Redação Folha Vitória

Brasília - O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE) reafirmou o seu voto a favor do que chamou de "lamentável" processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Apesar de não ter interrogado Dilma na segunda-feira, 29, para "evitar constrangimentos", nesta terça-feira, 30, ele não poupou a petista de críticas em seu pronunciamento.

Eunício disse que a presidente afastada deveria ter feito uma autocrítica em seu depoimento, o que não ocorreu. "Dilma não inovou, ao contrário, repetiu os argumentos", declarou. O líder do PMDB afirmou ainda que ela "manteve" seu constante distanciamento do parlamento e discursou apenas para preservar a sua biografia, dirigindo-se aos seus aliados. Para ele, as pedaladas cresceram em 2015, o que gerou a necessidade de um ajuste fiscal.

Ao final de seu discurso, longe do microfone, Eunício voltou a elogiar Dilma e dizer que "gosta muito dela". Para o parlamentar, as pedaladas fiscais e os decretos de créditos suplementares apenas motivaram o impeachment, porém o que deve gerar de fato a saída da petista é a sua falta de apoio no Congresso.