Servidores de deputado suspeito de desviar dinheiro de associação são exonerados no ES

Política

Servidores de deputado suspeito de desviar dinheiro de associação são exonerados no ES

De acordo com a Procuradoria Regional Eleitoral no Espírito Santo (PRE/ES), responsável pela denúncia, o esquema era liderado pelo deputado estadual Almir Vieira (PRP)

Do total desviado, mais de R$ 250 mil teriam sido destinados ao financiamento da campanha de Vieira à deputado em 2014 Foto: Reprodução Facebook

Dois servidores do gabinete do deputado estadual Almir Vieira (PRP) foram exonerados nesta sexta-feira (19). A exoneração de Darla Cristina da Rocha e Gilvan Douglas Correia foi publicada no Diário Oficial do Poder Legislativo.

As exonerações ocorrem após a Operação Maçarico, que investigou o esquema de desvio de quase R$ 1,5 milhões da Associação dos Funcionários Públicos do Estado (AFPES), 

De acordo com a Procuradoria Regional Eleitoral no Espírito Santo (PRE/ES), responsável pela denúncia, o esquema era liderado pelo deputado estadual Almir Vieira (PRP).

Do total desviado, mais de R$ 250 mil teriam sido destinados ao financiamento da campanha de Vieira à deputado em 2014. O valor representa 56,88% do total arrecadado para promover sua candidatura. Outras seis pessoas também foram denunciadas por participar do esquema.

Gilvan Douglas Correia, que era assessor de Almir na Associação, é apontado como braço direito e melhor amigo do deputado. Atualmente é seu chefe de gabinete na Assembleia Legislativa e foi coordenador de sua campanha eleitoral. A PRE/ES afirmou que ele foi responsável pela arrecadação de recursos e agiu junto a diversas pessoas para que elas assinassem recibos eleitorais falsos. 

Segundo a PRE/ES, Darla Cristina da Rocha, contadora da AFPES e atualmente funcionária do gabinete do deputado, providenciava o nome de pessoas físicas para constarem como doadores de campanha, até sem o conhecimento de algumas delas. Ela também emitiu notas fiscais falsificadas utilizando dados de empresas que haviam contratado seu escritório de contabilidade, sem o conhecimento de seus proprietários.

A equipe da TV Vitória entrou em contato com Darla Cristina, mas ela preferiu não se pronunciar sobre o assunto. Já Gilvan Douglas continua preso no Centro de Detenção Provisória de Viana II. O deputado estadual Almir Vieira ficou de se manifestar ainda na tarde desta sexta-feira por meio de uma coletiva de imprensa para os jornalistas.

Operação

Uma organização criminosa é acusada de desviar R$ 1.428.938,57 da Associação dos Funcionários Públicos do Espírito Santo (AFPES), por meio da utilização de empresas de fachada e de dados de terceiros. O crime foi descoberto durante uma operação realizada pela Polícia Federal e Procuradoria Regional Eleitoral no Espírito Santo, deflagrada na manhã da última quarta-feira (17). 

Além de Vieira, a Procuradoria Regional Eleitoral está denunciando outras seis pessoas, entre funcionários da Associação de Funcionários Públicos do Espírito Santo e do gabinete do deputado. 

Entre os crimes praticados pelos investigados estão: organização criminosa, falsidade ideológica e material eleitoral, falsificação de recibo eleitoral, falsidade da prestação de contas, peculato, lavagem de capitais e embaraço à investigação de organização criminosa. Se condenado pelos crimes, os investigados podem pegar uma pena total de 30 anos de prisão e o deputado estadual pode perder seu cargo eletivo.