• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ana Amélia diz estar disposta a assumir vice caso acordo PP-PSDB seja fechado

Política

Ana Amélia diz estar disposta a assumir vice caso acordo PP-PSDB seja fechado

A senadora Ana Amélia (PP-RS) disse nesta quinta-feira, 2, em rápida entrevista concedida no Senado, que está disposta a ser vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB-SP), mas condicionou a decisão ao acerto entre os dois partidos em âmbito nacional e no seu estado natal, o Rio Grande do Sul. Embora tenha mostrado disponibilidade, a senadora disse que a parceria não está sacramentada.

Cuidadosa nas declarações, Ana Amélia evitou afirmar que aceita o convite do tucano. "A decisão caberá a Alckmin e ao presidente do partido (PP)", desconversou, dizendo que "entre hoje e amanhã" deve ser feito o anúncio oficial. Tudo ainda depende de decisões sobre coligações para disputas de governos estaduais, segundo ela.

Uma das questões é a situação no Rio Grande do Sul. Com os novos arranjos, estaria em jogo o candidato Luiz Carlos Heinze (PP) deixar de concorrer ao governo do Rio Grande do Sul para apoiar o candidato tucano ao cargo, Eduardo Leite. Neste cenário, Heinze sairia para o Senado. Há outras questões também para serem resolvidas entre os dois partidos.

"Se for definido em todos os seus detalhes, então vou me posicionar em relação ao convite que Geraldo Alckmin fez a mim", disse Ana Amélia. "Vou aguardar para que eu possa tomar uma decisão com segurança", disse.

Segundo a senadora, Alckmin esteve em sua casa ontem, às 18h, e eles conversaram por cerca de 40 minutos. "Ele fez várias ponderações a mim e tivemos uma conversa muito franca", disse. Ela admitiu que também houve um apelo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para que ela aceitasse ser vice e também do senador Tasso Jereissati (PSDB).

"Tive problema com a minha pressão arterial, mas a política foi muito maior para que eu aceitasse", disse a senadora. Mais cedo ela disse que falaria com seu médico para tomar a decisão já que teve um problema de hipertensão em viagem ao Rio Grande do Sul na semana passada e chegou ficar internada por uma noite.

Sobre as divergências internas do PP, Ana Amélia disse que o presidente do partido, Ciro Nogueira, deu a liberdade a Geraldo Alckmin para ele tomasse sua decisão.