Líder do governo diz que investigações são medo de Lula voltar em 2018

Política

Líder do governo diz que investigações são medo de Lula voltar em 2018

Redação Folha Vitória

Brasília - O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), saiu em defesa do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva nesta terça-feira, 27, com relação as investigações da Operação Zelotes, que investiga empresas de um dos filhos do ex-presidente. "É o medo de Lula voltar em 2018", disse. "Tudo o que acontece com o presidente Lula vira manchete. Não tem nenhuma acusação contra ele. Tem tanta gente acusada que fica perambulando pelo País", afirmou o líder sem mencionar nomes.

Ontem, Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal deram início à terceira fase da Operação Zelotes. Os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão no escritório de Luis Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente.

Também ontem, Gilberto Carvalho foi ouvido pela PF em inquérito da Zelotes. Ele foi ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República no primeiro governo Dilma e assessorava Lula no Palácio do Planalto. Investigadores dizem que Carvalho foi citado por vários personagens envolvidos no suposto esquema de compra de Medidas Provisórias.

Ao mencionar o aniversário de 70 anos de Lula, comemorado nesta terça-feira, Guimarães disse que "o legado dele é de muita honradez" e que "ninguém fez tanto pelo Brasil e pelos pobres quanto o presidente Lula".

Ao comentar o resultado da pesquisa CNT/MDA divulgada nesta manhã e que atribuiu à presidente Dilma Rousseff 70% de avaliação negativa, Guimarães disse que a baixa popularidade afeta a governabilidade, "mas não é motivo para qualquer outra medida", em referência a um eventual pedido de impeachment articulado pela oposição.

Pauta

José Guimarães disse que o governo estabeleceu, durante reunião com líderes da base aliada, três pautas prioritárias para esta semana. No plenário, será votada a Medida Provisória (MP) 687, que trata de incentivos fiscais para o setor cinematográfico do País. O Planalto negocia a duração de tais incentivos. A comissão que tratou do assunto estabeleceu de cinco a oito anos, mas o governo insiste em dois anos.

Outro tema prioritário é o projeto de lei de repatriação de recursos de brasileiros no exterior, que deve ir ao plenário somente nesta quarta-feira, 28. Guimarães está negociando alterações com o relator da proposta, deputado Manoel Junior (PMDB-PB), para que ele desfaça algumas mudanças, retornando ao texto original do texto elaborado pelo Senado e enviado pelo governo.

Por fim, o Planalto espera votar até a manhã de quinta-feira, 29, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a Desvinculação de Receitas da União (DRU). Temas polêmicos como a extensão da desvinculação a Estados e municípios devem ser colocados em discussão apenas na comissão especial que tratará do assunto tão logo o texto saia da CCJ. "A Câmara está votando e saiu da pauta negativista da oposição", disse Guimarães.