Funcionários da EBC protestam em SP contra indicações políticas na empresa

Política

Funcionários da EBC protestam em SP contra indicações políticas na empresa

Os manifestantes, cerca de uma dezena, carregam cartazes com cabides desenhados e se dizem contrários à proporção de cargos indicados politicamente na estatal de comunicação

Redação Folha Vitória
Funcionários protestam com faixas e cartazes Foto: Agência Brasil

São Paulo - Funcionários da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) protestam com faixas e cartazes em frente a um centro de convenções na zona sul de São Paulo. O local recebe nesta terça-feira, 17, evento do Lide, Grupo de Líderes Empresariais, com a presença do ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva, a quem a EBC está subordinada.

Os manifestantes, cerca de uma dezena, carregam cartazes com cabides desenhados e se dizem contrários à proporção de cargos indicados politicamente na estatal de comunicação, hoje de 70%, segundo Priscila Kerche, jornalista e representante dos empregados da EBC. "Queremos o fim dos privilégios, a EBC não pode ser cabide de empregos", afirmou.

Priscila defende que a proporção seja invertida e que apenas 30% dos cargos sejam destinados a indicações políticas. Há um cartaz pendurado com nome de pessoas da EBC que, segundo os manifestantes, foram indicados por interesse político. Entre eles está a mulher do secretário municipal de Saúde, Alexandre Padilha, Tássia Alves, que é assessora e tem salário de R$ 12.500 segundo os manifestantes. Também são citados Regina Silvério, secretária executiva, com salário de R$ 22.965; Katia Vaz, diretora, com salário de R$ 25.136; e Manoel Araújo, superintendente, com salário de R$ 22.965.

Padilha, presente ao evento, disse a jornalistas que considera a manifestação em relação a sua esposa injusta e machista. "Minha mulher já demonstrou competência e não pode ser impedida de trabalhar por estar casada comigo. Não participei em nada de qualquer processo de indicação dela", afirmou o secretário.

Os funcionários da EBC dizem estar em greve desde o último dia 10. Na campanha salarial, a empresa ofereceu 3,5%, considerado baixo pelos funcionários ante uma inflação de quase 10% no ano. Eles pedem reajuste de inflação mais R$ 450 de forma linear para todos os cargos.