Levy evita comentar sobre Delcídio e deixa avaliação para operadores políticos

Política

Levy evita comentar sobre Delcídio e deixa avaliação para operadores políticos

O ministro da Fazenda, que optou por focar o discurso nas oportunidades de crescimento no Brasil, disse que o país tem condições favoráveis de crescer

Redação Folha Vitória
Com um discurso otimista, Levy preferiu focar nas oportunidades de crescimento do Brasil. Foto: Agência Brasil

Brasília - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, evitou comentar nesta quarta-feira, 25, a prisão do líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS). Para o ministro, isso está na esfera política e tem que ser abordado pelos operadores políticos. "Eles terão uma avaliação muito mais concreta e ancorada do que a minha", disse Levy.

Segundo o dirigente da Fazenda, no âmbito econômico, a prisão do senador "mostra a importância de se ter clareza nos objetivos de nossos políticos, consciente das dificuldades de que, se a gente não enfrentar as coisas realmente, as condições não vão melhorar só porque você espera elas melhorarem".

Com um discurso otimista, Levy preferiu focar nas oportunidades de crescimento do Brasil. Segundo ele, o País tem condições favoráveis de crescer. O ministro lembrou o choque externo que, para ele, foi importante e diminuiu o preço das commodities, dificultando as ações, mas sem tirar as condições de crescimento do Brasil.

Câmbio

Outro ponto que Levy tentou mostrar com positividade foi a desvalorização do câmbio. De acordo com ele, é preciso olhar as oportunidades e aproveitar ao máximo o efeito disso. "A gente vai ter a Olimpíada, olha que coisa extraordinária que a gente vai ter em poucos meses, como a gente aproveita ao máximo para trazer o maior numero de turistas, aproveitar o câmbio favorável", disse.

Uma das bandeiras de sua gestão, o ministro lembrou que as reformas do PIS/Cofins e do ICMS são estratégias para o crescimento. "As oportunidades estão aí na nossa frente", comentou.