Presidente do Conselho de Ética adia para amanhã escolha de relator do caso Cunha

Política

Presidente do Conselho de Ética adia para amanhã escolha de relator do caso Cunha

Adiamento dá algumas horas de respiro a Cunha, que será notificado a partir da escolha do relator. Com relator inicia prazo de dez dias para conclusão de parecer que trata da admissibilidade

Redação Folha Vitória
Presidente da Comissão de Ética da Câmara quer analisar mais os nomes sorteados para escolha de relator Foto: Estadão Conteúdo

Brasília - Sob a justificativa de que precisa recolher mais informações sobre os nomes sorteados na terça-feira, 3, para ocupar a relatoria do processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), adiou o anúncio do relator para esta quinta-feira, 5, ao meio-dia.

O adiamento dá mais algumas horas de respiro a Cunha, que só pode ser notificado a partir da escolha do relator. Também é preciso definir quem ocupará a relatoria para começar a contar o prazo de dez dias para a conclusão do parecer inicial que trata da admissibilidade do processo.

O anúncio estava prometido para as 17h desta quarta-feira, 4. "Este é um processo difícil. Talvez o mais difícil que peguei na minha vida", disse Araújo, justificando a dificuldade por se tratar de "um deputado que, por acaso, é o presidente da Casa". O presidente do colegiado disse que não foi procurado, não o procurou e não vai procurar Eduardo Cunha antes da escolha do relator.

Araújo negou que o adiamento seja uma medida protelatória. "Não estou querendo protelar nada", afirmou. "Continuo com a ideia de manter a celeridade. Não estou atrasando absolutamente nada, mas tenho que me resguardar", disse Araújo. "Estou buscando segurança para mim de que vou escolher o homem certo para a coisa certa na hora certa". O presidente do conselho disse não estar procurando nenhuma informação específica. "Quanto mais informação você tem, melhor", disse ele.

Questionado sobre o motivo de não ter perfilado anteriormente os 18 nomes que poderiam ser sorteados, Araújo disse também ter outras coisas para tratar. "Não tenho só o Conselho de Ética para cuidar. Tenho outras coisas", disse o presidente do colegiado formado no início do ano e que somente agora está julgando um caso nesta legislatura.

Araújo disse já ter conversado com alguns parlamentares para levantar informações sobre Vinícius Gurgel (PR-AP), Zé Geraldo (PT-PA) e Fausto Pinato (PRB-SP). Este último é considerado favorito por ter sido eleito graças aos votos do deputado Celso Russomanno (PRB-SP). Como ele é ligado a Russomanno, o entendimento da cúpula do conselho é de que Pinato não dará passos em falso para não prejudicar a candidatura de seu correligionário na disputa pela Prefeitura de São Paulo. Russomanno lidera as pesquisas de intenção de voto.

Pela manhã, Araújo conversou com Russomanno e disse que o parlamentar "o tranquilizou muito". Russomanno garantiu a Araújo de que Pinato não sofrerá pressão por nenhum dos lados. "Ele vai admitir o processo com certeza", afirmou. Araújo negou o favoritismo de Pinato. "Não tenho preferido nem ele é favorito", afirmou. "Não descartei ninguém". No entanto, o presidente do conselho disse que ainda conversará com ex-deputados ligados a Pinato para obter mais informações sobre o estreante. "O Pinato é deputado de primeiro mandato. Ninguém conhece aqui, eu não conheço", afirmou.

Araújo disse ter tido uma "conversa preliminar" com Pinato e que depois terá uma conversa "mais demorada" com o possível relator.

Ainda nesta quarta-feira, José Carlos Araújo vai conversar com dois ex-deputados que já trabalharam com Pinato: o atual vice-presidente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, Dimas Ramalho, e Julio Semeghini.