Diante do aumento do número de casos de covid-19, é seguro votar no domingo? Veja o que dizem especialistas!

CORONAVÍRUS

Política

Diante do aumento do número de casos de covid-19, é seguro votar no domingo? Veja o que dizem especialistas!

Segundo especialistas, o crescimento do número de contaminados no Espírito Santo não ocorreu por causa do primeiro turno das eleições

Foto: Reprodução/TSE

Às vésperas do segundo turno das eleições 2020, o aumento do número de casos da covid-19 no Espírito Santo tem preocupado eleitores, que no domingo (29) voltam às urnas, em quatro cidades da Grande Vitória, para escolher seus representantes para os próximos quatro anos. Nesta sexta-feira (27), foram registrados mais de 1,7 mil novos casos da doença. Na quinta (26), o número foi ainda maior, em relação ao dia anterior: quase 2 mil novos casos.

Diante dessa nova alta de casos do novo coronavírus, é comum que o eleitor fique na dúvida se realmente é seguro votar no próximo domingo. Alguns preferem não arriscar. É o caso da médica geriatra Alda Furtado, que está isolada em um sítio desde o início da pandemia. 

Ela conta que não votou no primeiro turno e também irá justificar no segundo, por ser do grupo de risco. "Tenho uma angioplastia, infartei logo após. Portanto, eu sou grupo de risco, estou afastada do trabalho desde 17 de março", disse.

Entretanto, infectologistas ouvidos pela equipe de reportagem da TV Vitória/Record TV dizem que sim, é seguro sair de casa para votar. De acordo com os especialistas, o crescimento do número de contaminados no estado não ocorreu por causa do primeiro turno das eleições. 

"O que aconteceu é que houve um relaxamento nas medidas de prevenção, por parte de amplos setores da população. Os jovens estão frequentando eventos sociais, estão permanecendo mais agregados, as pessoas estão saindo mais. Nas eleições, há amplas regras e extensos cuidados para se evitar riscos de transmissão. Então, se há aumento no número de casos, isso não pode ser atribuído a eventos controlados, como são as eleições", destacou o infectologista Crispim Cerutti.

Para o próximo domingo, o eleitor deve ter preocupação, mas não a ponto de deixar de votar. "Utilizar a máscar durante todo o período em que estiver fora do seu ambiente domiciliar, durante todo o período em que estiver na fila para votação. Quando eu uso a máscara, eu não transmito e eu não pego, e se as pessoas estão mutuamente usando máscaras, a proteção é maior", ressaltou a infectologista pediatra Euzanete Coser.

O Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) também reforça a necessidade das medidas de proteção ao eleitor, antes e depois de passar pelas urnas. "É importante que o eleitor compareça de máscara aos locais de votação, porque não vai poder entrar nos locais se não estiver de máscara; o eleitor levar a própria caneta, para assinar o caderno de votação, já que a gente não vai ter o reconhecimento pela digital, pela biometria; o horário preferencial para os idosos, que são os maiores de 60 anos, de 7h às 10h — essa medida também permanece para o segundo turno; e aquilo que a gente pediu muito, para as pessoas não irem acompanhadas aos locais de votação", listou Rosiane Marrochi, da comissão de mesários do TRE-ES.

Com informações da jornalista Andressa Missio, da TV Vitória/Record TV