CMO inclui PPA na pauta depois de atraso do parecer de deputado do PT

Política

CMO inclui PPA na pauta depois de atraso do parecer de deputado do PT

Redação Folha Vitória

Brasília - A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional incluiu na pauta de votações o Plano Plurianual (PPA) de 2016 a 2019. Depois de aprovado, o projeto seguirá para votação no plenário do Congresso. A votação do PPA abre caminho para a votação do Orçamento de 2016.

Pelo artigo 76 do regimento da CMO, a votação do relatório geral do Orçamento de 2016 somente terá início após a aprovação pelo plenário do Congresso Nacional do PPA.

No início da sessão desta terça-feira, 8, da CMO, a presidente da comissão, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), cobrou do relator do PPA, deputado Zeca Dirceu (PT-PR), a apresentação do relatório, que estava com os prazos atrasados.

Dirceu entregou o relatório durante a sessão, depois da pressão da senadora. Enquanto estavam sendo apresentados os relatórios setoriais do Orçamento de 2016, a senadora colocou em votação a inclusão na pauta do PPA.

O Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, apurou que parlamentares reclamaram reservadamente que o deputado petista estava atrasando a apresentação do relatório a pedido do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

A intenção seria uma manobra regimental para atrasar a votação das matérias orçamentárias para forçar o recesso parlamentar e o andamento do processo de pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

"O relator atendeu o pedido do ministro Nelson para segurar a votação", criticou um parlamentar da CMO. Zeca Dirceu ficou trabalhando no relatório até tarde da noite de ontem em reunião no Ministério do Planejamento.

Ao Broadcast, o relator do PPA negou um atraso proposital. Ele informou que a demora ocorreu por problemas de transmissão do parecer para as áreas temáticas da CMO. Segundo Zeca Dirceu, há um esforço grande para a votação do projeto. Procurado, o Ministério do Planejamento informou que o ministro Nelson defende a votação logo do PPA pelo plenário.