Guilherme Lacerda é conduzido para a sede da PF para prestar esclarecimentos sobre fundos de pensão

Política

Guilherme Lacerda é conduzido para a sede da PF para prestar esclarecimentos sobre fundos de pensão

A Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal informou que foi cumprido no Espírito Santo um mandado de busca e apreensão e outro de prisão

Guilherme Lacerda  Foto: Agência Brasil

Guilherme Lacerda, um dos investigados na Operação Greenfield, deflagrada na manhã desta segunda-feira (5), foi conduzido para a sede da Polícia Federal, em Vila Velha, para prestar esclarecimentos. As informações são extraoficiais.

Lacerda é ex-presidente da Funcef e dirigiu a instituição entre 2003 e 2010. Formado em economia, ele também foi diretor do BNDES. Em outubro de 2015 prestou depoimento à CPI dos Fundos de Pensão e negou que tenha havido prejuízos durante sua gestão, apesar das dificuldades enfrentadas.

Petista, Lacerda também fez carreira no Espírito Santo e chegou atuar na campanha do ex-presidente Lula, em 2002, no Estado.

A operação foi deflagrada pela Polícia Federal em Brasília, e estão sendo cumpridos 127 mandados judiciais. São eles: sete de prisão temporária, 106 de busca e apreensão e 34 de condução coercitiva nos estados do Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Amazonas, além do Distrito Federal.

>> Greenfield confisca avião, 139 carros e 90 imóveis
>> Presidente da Previ chega para reunião na Fazenda e não comenta ação da PF
>> Fundos de pensão investigados pela PF respondem por 62,6% do rombo do sistema

A operação investiga suspeitas de interferência política para que determinados investimentos, que causaram prejuízos aos fundos de pensão, fossem realizados. Uma outra linha de apuração busca saber se houve financiamento de campanhas eleitorais com recursos dos fundos.

São investigados os quatro dos maiores fundos de pensão do país: Funcef (Caixa Econômica), Petros (Petrobrás), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). Os investigadores focaram em dez casos que provocaram déficits bilionários nos fundos de pensão. Desses, oito estão relacionados a investimentos realizados de forma temerária ou fraudulenta, por meio dos FIPs (Fundos de Investimentos em Participações).

Empreiteiro 

Durante a operação, o empreiteiro José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, da OAS, foi preso. O ex-presidente da companhia foi conduzido coercitivamente na ação que investiga desvios de R$ 8 bilhões nos fundos de pensão Funcef, Petros, Previ e Postalis, mas ficou preso preventivamente por ordem do juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato.

Outro lado

Por meio de nota, a OAS disse que não vai se posicionar, pois o executivo Léo Pinheiro não possui mais nenhum cargo na empresa. A TV Vitória não conseguiu contato com o advogado dele. Já a Funcef confirmou a operação da Polícia Federal e ainda disse que está a disposição das autoridades. A equipe da TV Vitória também tentou contato com o advogado de Guilherme Lacerda, mas não teve nenhum retorno até o fechamento dessa matéria. 

O Postalis informou que se colocou à disposição das autoridades e "tem todo interesse que os fatos investigados sejam esclarecidos com celeridade". A Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, afirmou que possui um "modelo de governança maduro e transparente" e que reforçou seu "compromisso com o aprimoramento do sistema de Previdência Complementar Fechado". Após a operação realizada pela PF, a Previ frisou que "toda a documentação requerida foi disponibilizada".

O Santander Brasil disse que as investigações não têm relação com o banco, mas com fundos de investimentos envolvidos, além da Sete Brasil. A PF solicitou, segundo o banco espanhol, alguns documentos relacionados aos fundos Funcef, Global, Petros, Previ e à Sete Brasil.

Confira os mandados que estão sendo cumpridos em casa Estado:

Distrito Federal: Brasília/DF - 20 mandados de busca e apreensão, 6 conduções coercitivas e 5 mandados de prisão temporária.

São Paulo: São Paulo/SP - 44 mandados de busca e apreensão, 17 conduções coercitivas e 1 prisão temporária; Campinas/SP - 1 mandado de busca e apreensão e 1 condução coercitiva; Santos/SP - 1 mandado de busca e apreensão.

Rio de Janeiro: Rio de Janeiro/RJ - 28 mandados de busca e apreensão, 7 conduções coercitivas e 1 prisão temporária; Niterói/RJ: 3 mandados de busca e apreensão e 1 condução coercitiva.

Espírito Santo: Vila Velha/ES - 1 mandado de busca e apreensão e 1 prisão temporária.

Bahia: Salvador/BA - 1 mandado de busca e apreensão e 1 condução coercitiva; Ilheus/BA - 1 mandado de busca e apreensão.

Paraná: Curitiba/PR - 1 mandado de busca e apreensão.

Rio Grande do Sul: Porto Alegre/RS - 2 mandados de busca e apreensão e 1 condução coercitiva.

Santa Catarina: Florianópolis/SC - 3 mandados de busca e apreensão, 1 condução coercitiva e 1 mandado de prisão temporária.

Amazonas: Manaus/AM- 2 mandados de busca e apreensão.

De acordo com a Polícia Federal, o número de mandados de busca e apreensão, condução coercitiva e prisão, em termos absolutos, diverge do número total de alvos, considerando que vários alvos tiveram medidas cumpridas em mais de um endereço.

Com informações do Estadão Conteúdos.