• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Adiamento da votação da Reforma da Previdência trará dificuldades para governo, diz consultor político

Política

Adiamento da votação da Reforma da Previdência trará dificuldades para governo, diz consultor político

Adiamento da votação, marcada para 19 de fevereiro, foi necessária para que o governo consiga se articular e conquistar os votos que faltam para aprovar o texto

A votação da Reforma da Previdência voltou a ser destaque no noticiário político do Brasil nos últimos dias e, nesta quinta-feira (14), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), confirmou que a matéria será colocada em votação na Casa no dia 19 de fevereiro.

A data - poucos dias após o Carnaval e do fim do recesso parlamentar - é icônica para o governo, que enxerga essa como uma das últimas oportunidades para aprovar a reforma.

Entender, no entanto, o adiamento da votação, os bastidores políticos para a obtenção de votos e a dificuldade de se votar um projeto tão complexo em ano eleitoral é fundamental para tentar analisar o que acontecerá na Câmara. Por conta disso, o Folha Vitória conversou com o consultor em marketing político Darlan Campos, que detalhou alguns pontos importantes do que envolveu a reforma durante este ano e qual cenário vem sendo desenhado até o dia 19 de fevereiro. Confira!

Inicialmente, a Reforma da Previdência seria votada este ano, mas diversos fatores influenciaram para que a data fosse postergada. Quais principais pontos que precisam ser analisados?

Primeiro, a gente tem que perceber que o governo Temer tem sobrevivido na contramão na forma como os outros governos tem sobrevivido. Geralmente, o governo é sustentado por uma base sólida ou com o apoio no Congresso. Como o governo Temer não tem essa legitimidade social, a base sólida no congresso é que o mantém.

Este foi um ano extremamente complexo para o presidente, que teve que fazer vários acordos partidários, teve que negociar muito para barrar as duas denúncias na Câmara. Acredito que o maior desafio é perceber - a menos de um ano das eleições - que essa é a votação de uma pauta altamente impopular e para votar projetos desse tipo você tem que ter uma base muito sólida.

O que o governo não quer é tentar colocar a Reforma em votação e não conseguir os votos. Por isso, esses adiamentos acontecem, para que o governo tente conseguir a quantidade de votos necessária.

Por quais motivos o governo não conseguiu votar a reforma este ano?

A decisão de colocar a Reforma em pauta foi tomada muito tardiamente porque o Temer precisava antes saber se ia continuar no governo. Isso fez com que se atrasasse votações importantes, dentre elas a da Reforma da Previdência.

Mesmo adianto o processo para fevereiro, ainda há a dúvidas! Não dá para saber se o governo vai conseguir a quantidade de votos necessária, afinal estaremos em ano eleitoral e tudo ganha mais destaque. Isso vai acontecer com a Reforma da Previdência ou qualquer outra pauta importante que o governo queira votar.

O governo vai conseguir a quantidade de votos necessária?

Se tem um elemento que não se pode tirar do governo Temer é o seu poder de articulação. Ele é um político experiente, que já foi presidente da Câmara, teve vários mandatos, que conhece o jogo parlamentar, então ainda há a possibilidade de que a reforma seja aprovada. No entanto, cada vez que isso é adiado fica mais difícil.

Qual vai ser o papel dos deputados nessa questão?

Cada vez que se aproxima mais do pleito eleitoral os deputados começam a olhar um pouco mais para sua base e isso cria uma maior dificuldade de votar pautas que desagradam as suas bases. Os deputados vão começar a pensar duas vezes. Eles temem que essa aproximação com porque precisarão se reeleger.