As 5 lesões mais comuns no joelho – parte 2.

Dando continuidade à última publicação sobre lesões dos joelhos, hoje apresentaremos as outras 5 mais comuns:

5 — Artrose.
Como suportam um grande peso ao longo do dia, associados a obesidade e sedentarismo é completamente normal que a cartilagem dos joelhos tenham um desgaste com o passar do tempo. Geralmente o paciente apresenta essa complicação no joelho, mas sem a presença de dores associadas.

A cartilagem do joelho é responsável pelo deslizamento, sem atrito, entre as extremidades dos ossos do joelho e sofrem desgaste até sua destruição levando a artrose.

A artrose não tem cura, mas os tratamentos colaboram na redução da dor e manutenção do movimento. O tratamento vai desde medicação, terapias por meio físicos, até infiltrações e procedimentos cirúrgicos. O diagnóstico dessa lesão pode ser feito por exames de imagem, como o raios-X e a ressonância magnética.

6 — Tendinite Patelar
É uma lesão do tendão patelar que, geralmente, está envolvida a atividades esportivas que precisam de saltos e desacelerações bruscas, como no atletismo e no futebol, por exemplo, e treinos de alta intensidade como spinner, musculação e crossfit. Normalmente, a lesão afeta a fixação do tendão patelar em seu polo inferior devido ao mecanismo que ocorre durante a desaceleração no esporte.

A tendinite patelar pode ser separada em quatro fases: a primeira promove dor após uma atividade, mas sem comprometer a funcionalidade; a segunda gera dor durante e depois das atividades, sem incapacitar a pessoa; a partir da terceira fase o quadro álgico – de dor – é prolongado durante e após a atividade, com o aumento da dificuldade de realização em um nível satisfatório das atividades do cotidiano; e na quarta e última, ocorre um rompimento completo do tendão, sendo necessária uma intervenção cirúrgica.

7 — Síndrome da Banda Iliotibial ou Joelho do Corredor, ou Ciclista.
É uma inflamação na região lateral da coxa, especificamente na banda iliotibial, decorrente da flexo-extensão excessiva do joelho que resulta do aumento da tensão ou atrito na região, sendo essa, uma lesão clássica de volume acumulado de treinos. Os principais sintomas são hipersensibilidades, dor e sensação de queimação na região lateral do fêmur.

Diversos fatores podem favorecer o aparecimento desta lesão, mas o principal é acúmulo de treinamento sem que os músculos e tendões suportassem a sobrecarga x repouso e adaptação.

Tratamento de recondicionamento muscular, analgesia, medidas anti-inflamatórias, fortalecimento, medicamentos, meios físicos e principalmente redução do volume de treinos, retorno e progressões graduais são fundamentais.

8 — Lesão no menisco.
O menisco fica localizado no meio do joelho, entre o fêmur e a tíbia. Ele é responsável pela absorção dos impactos realizados sobre os joelhos e diferentes situações podem gerar lesões nessas estruturas, especialmente, nos movimentos de rotação e comuns associados a lesão de LCA. Os sintomas envolvem dores na parte lateral dos joelhos e o bloqueio do mesmo, que é causado pelo deslocamento do menisco de um lado para o outro, causando estalos e travamento em posições específicas.

Várias técnicas cirúrgicas e outros procedimentos apresentam cada vez mais evolução no tratamento para maior preservação do menisco garantido a vida longa ao joelho.

9 — Bursites pré-patelar e da pata de ganso.
São inflamações de estruturas tipo uma bolsa, as bursas que contém líquidos para facilitar o deslizamento dos tendões, outros atritos e mesmo impactos nos joelhos.

Dor em torno da patela, e parte interna do joelho com aumento do volume (inchaço) são frequentes e o tratamento é similar as outras condições citadas.

10 — Fraturas de estresse
Menos comum, mas pouco lembrada as fraturas por excesso podem ocorrer no platô tibial ou no ápice da canela junto ao joelho e mesmo na patela ou fêmur (osso da coxa). Em todos os casos a dor no treino em especial corrida, associado a intensa sensibilidade ao toque na região e aumento de volume e temperatura são indícios de algo mais grave como é essa lesão.

Exame de ressonância magnética precisa ser feito e o tratamento envolve eliminação do treino até a carga (usar muletas) podendo imobilizar ou casos mais graves e complexos procedimentos cirúrgicos.
Atualmente medicamentos que estimulam a formação óssea e terapias por meios físicos como eletromagnetoterapia de alta potência são opções que conseguem excelentes resultados clínicos.

Portanto, a conclusão já sabemos: o joelho é uma das maiores articulações do nosso corpo, estando suscetível a diversas formas de lesões e sempre procure cuidados do médico de sua confiança em casos de suspeitas que algo não está legal nessa articulação.

Então cuide de suas articulações para garantir uma vida saudável e longa não só nos exercícios físicos bem como no dia a dia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *