Artrose: como conciliar com exercícios físicos.

Todos sabemos que além de melhorar a qualidade de vida em geral, os exercícios físicos, quando bem orientados, e são grandes aliados no tratamento de várias doenças. Hoje vou falar sobre a artrose que é uma enfermidade que se caracterizada pela inflamação e degeneração progressiva das articulações provocando o desgaste das cartilagens e dos ossos.

Existem dois tipos de artrose a primária, sem causas conhecidas ou fatores desencadeantes e que vai se agravando ao longo dos anos. A outra é a pós-traumática, que como o próprio nome sugere, aparece após algum trauma na articulação, como uma fratura, forte impacto ou procedimento cirúrgico, como operação de menisco ou ligamentos, por exemplo.

Vários fatores de risco podem ser encontrados para o desenvolvimento da artrose como: alterações mecânicas do corpo como o desalinhamento dos membros inferiores, que são agravada pelo sobrepeso e a obesidade.

Quando caminhamos há uma sobrecarga equivalente a 2 vezes o peso corporal. Ao corrermos, esse valor quadruplica. Nos saltos as articulações como joelhos, quadris, pés e tornozelos podem sofrer com um impacto equivalente a 10 vezes o peso da pessoa. Por isso, é importante considerar o excesso de peso, as doenças reumáticas, e a prática excessiva e extenuante de exercícios como fatores de risco para o desenvolvimento da artrose.

Em geral, a artrose se instala de forma silenciosa: os sintomas só começam a se manifestar quando ela já está mais avançada. Os pacientes relatam desconforto, como dores, inchaços e limitações de movimento no cotidiano. Um dos sinais precoces é a condromalacia, que é o amolecimento das cartilagens que gradativamente leva a uma evolução para a artrose. O diagnóstico da doença normalmente é feito com ajuda de exames como a ressonância magnética e Raio X.

Realizar exercícios físicos de forma adequada ajudará a aliviar as dores e limitações da doença podendo atrasar ou evitar a necessidade de um tratamento cirúrgico como colocação de prótese. O exercício físico é o grande contraponto ao tratamento cirúrgico, sendo sempre que possível associar ao uso de medicações e correntes magnéticas, que preservam ou mesmo restaurem a articulação. A artrose não afeta apenas as cartilagens, mas também tem influência nos ligamentos, nos músculos e nas membranas sinoviais, que é o tecido que envolve as articulações. Por isso, quanto maior a amplitude de recursos terapêuticos empregados maior será a chance de sucesso no tratamento.

O tipo de exercício físico a ser realizado – assim como sua intensidade, frequência e duração – deve ser prescrito pelo médico do esporte depois de uma detalhada avaliação do paciente, colocando na balança os pró e contras de cada atividade física. Os estudos mostram que em geral os melhores tipos de exercícios são os aeróbicos com menor impacto e sobrecarga, como caminhadas, bicicletas, transport, combinados com atividades de resistência muscular localizada, como a musculação, pilates e funcional que aumentem o volume e a força dos músculos de toda coxa, perna e quadril. É preciso sempre lembra da importância do alongamento para manutenção de todo movimento da articulação. Por isso, alongue-se.

As atividades físicas, nos casos de artrose, mais do que evitar a necessidade de cirurgia ou retardá-la, reduzem a dor e melhoram a funcionalidade das articulações atingidas melhorando a qualidade de vida e garantindo maior tempo útil dessas estruturas.

Exercícios físicos de forma consciente, crescente e consistente devem fazer parte da vida de todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *