Lesões: Quando usar gelo e quando usar calor?

Com certeza você já passou por isso: bateu a cabeça põe gelo para não dar o galo, suas costas estão doendo, e você usou uma bolsa com água quente. São muitas dicas que aparecem por todos os lados e com elas, dúvidas e confusões que levam os equívocos e maus usos do frio ou do calor às consultas médicas com frequência.

Tanto o gelo como o calor são duas técnicas consagradas de tratamento médico na área da Medicina Esportiva e Fisiatria sendo chamado o primeiro de crioterapia e o segundo termoterapia. São tratamentos que valem a pena, possuem eficácia e são baratos, com riscos mínimos.

O calor, deve ser usado para fazer a vasodilatação, ou seja, aumentar o fluxo de sangue no local da lesão. Esse meio de tratamento deve ser usado principalmente nos músculos já que eles são ricos em vasos sanguíneos ajudando a aliviar a dor dos espasmos musculares, pontos gatilhos (nós na musculatura) e o estresse psicológico (componente importante nos quadros de dor crônica). Nos torcicolos, lombalgias, sempre que não houver, traumas ou feridas, o calor é de grade alívio.

Já o gelo é utilizado para fazer a vasoconstricção, ou seja, reduzir o fluxo sanguíneo na área dolorosa, nos tecidos danificados ou solicitados em excesso que estão inflamados, vermelhos, quentes e inchados. Os processos inflamatórios como respostas às lesões são saudáveis, normais e naturais, mas, quando ocorre em grande quantidade, pode ser incrivelmente doloroso. A crioterapia é apenas uma forma leve, não medicamentosa, de controlar a dor da inflamação e prevenir que estas cheguem a formas insuportáveis. A função do frio é analgésica, pois bloqueia a transmissão nervosa da lesão.

Não se deve utilizar o calor nos processos inflamatórios e o gelo nas situações de espasmos, pois seus maus usos potencializam danos ou agravam os quadros. Ambas estratégias terapêuticas são inúteis quando utilizados de forma contrária à sua indicação.

Adicionar calor em um processo inflamatório, quando o local já está quente, inchado, por exemplo, pode deixá-lo pior! Exemplo: aquecer um joelho recém-ferido pode inchá-lo mais, pois a circulação será aberta e mais sangue chegará ao local, gerando mais dor devido ao volume e células inflamatórias que ali estarão em grande quantidade.

O contrário também é verdadeiro: colocar gelo nas dores musculares pode piorar a contratura. O gelo pode agravar espasmos musculares e pontos de gatilho. Essas dores, causadas por contrações e tensões, são facilmente confundidas com inflamação. O gelo faz os músculos se contraírem ainda mais, e os pontos de gatilho doem ainda mais agudamente.

Se a região lesionada de forma aguda for um músculo com estiramento, lesão parcial ou total, ou até mesmo uma queda ou qualquer trauma direto, o gelo está indicado, mas apenas para os primeiros dias, ou seja, na fase inflamatória e apenas se for realmente uma lesão muscular verdadeira.

A lesão muscular quase sempre envolve a dor severa, súbita e aguda. Se o músculo está lesionado, então use gelo para reduzir a inflamação. Quando o edema e a fase quente tiverem passado, mude para aquecimento, ou até mesmo faça a transição com o contraste.

Sempre ao utilizar gelo ou calos, coloque pano entre a pele a bolsa de gelo ou de calor, sua duração deve ser de 10 até 30 minutos, não fazer em área anestesiada ou sem sensibilidade e em pessoas incapazes de relata desconforto que podem evoluir para queimaduras. Sim, tanto o calor, quanto a frio, podem queimar a pele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *